Posts com a tag ‘jornalismo’

01

Mar

13

Vida de Escritor

Vida de EscritorVida de Escritor by Gay Talese

My rating: 4 of 5 stars

Li e recomendo Vida de escritor, de Gay Talese. É uma combinação de autobiografia com algumas histórias levantadas por ele que terminaram não sendo publicadas. Ou por rejeição do editor, ou porque ele não sabia o caminho a tomar e decidiu abandonar o projeto. Talese tem fascínio por personagens anônimos e pelos que fracassam.

Passou meses na China pesquisando sobre uma jogadora de futebol que perdeu um pênalti na final da Copa do Mundo, numa partida que deu o título aos EUA. Durante anos, coletou informações e fez entrevistas sobre um prédio antigo em NY, onde diversos restaurantes bacanas abriram as portas e faliram em poucos meses. Também acompanhou de perto o caso de Lorena Bobbit, a equatoriana que decepou o pênis do marido. O resultado é um painel que revela muito sobre o método de trabalho dele, suas obsessões, bloqueios diante da página em branco e a paixão pela reportagem.

Do posfácio de Mario Sergio Conti: “Vida de escritor traz precisamente o que o título enuncia: um relato do calvário. … O livro não tem nada de condescendente nem conformista. Os seus assuntos são o trabalho e o fracasso. … Ao mostrar as frustrações do relato de apurar e relatar, Talese desmistifica o jornalismo”.

Conti conta ainda que Vida de Escritor, de 2006, foi o livro de Talese que teve pior recepção nos Estados Unidos. As restrições foram de duas ordens: ele seria um pot-pourri com restos de livros que goraram; e a sua construção era forçada e frágil. Conti diz que não há o que discutir quanto à primeira ressalva, mas a restrição não se sustenta, pois considera a construção do livro “altamente requintada” – labiríntica, autoquestionadora, fragmentada.

View all my reviews

Bookmark and Share


21

Jan

13

Visita aos palestinos do campo de Aida

Primos Ricardo Gomes e Renilza Violante estão agora na Guatemala, quase na reta final da sua volta ao mundo que começou em fevereiro de 2012, quando “chutaram o balde” da estabilidade como engenheiros em Minas Gerais pra pegar a estrada. Em outubro e novembro eles percorreram alguns países do Oriente Médio. Pouco depois de passarem pelo Irã, fizeram uma visita ao campo de refugiados palestinos de Aida, em Belém. Nada de neutralidade aqui. Embora a passagem por Aida tenha sido rápida, deu novos elementos para confirmar a simpatia do casal pela causa palestina. Como bons viajantes de olhos e corações abertos, eles pensam como o veterano jornalista britânico Robert Fisk, que há anos cobre conflitos na região: “Você tem de estar do lado da justiça, do equilíbrio, da decência, tem de se posicionar”. Um resumo da nossa conversa:

A visita foi planejada ou de improviso? Foi difícil o acesso?

Ricardo - Improviso. Antes de Aida imaginávamos que campos de refugiados eram lugares isolados, com pessoas vivendo em tendas, sem estrutura alguma. Mas isto é o caso de campos provisórios e recém-criados. Não sabíamos disso. Fomos a Belém para conhecer a Igreja da Natividade e bem próximo a ela está o Centro de Paz Belém. Fomos lá e pegamos algumas informações. Eles nos encorajaram a visitar algum campo. Vimos que seria fácil tomar um táxi até Aida e decidimos ir.

Qual foi a primeira impressão?

Renilza – Sentimos um pouco de medo. Apesar do enorme “Welcome to Aida Camp” na entrada, estávamos preocupados com nossa situação depois desta visita perante as autoridades de Israel. Isto porque antes de entrar em Israel fomos alertados de que não deveríamos dizer que iríamos visitar territórios palestinos e realmente os israelenses nos questionaram isto na imigração. E a forte presença do enorme muro que Israel construiu separando Aida do resto do mundo é muito opressora.

Como foi a experiência de terem sido recebidos como hóspedes pelas famílias palestinas?

Ricardo - Caminhamos bastante pelo campo (entenda o campo como um bairro pobre em uma grande cidade, por exemplo). Um grupo de crianças que acabava de sair da escola nos seguiu por um tempão, falando de futebol, perguntando sobre Brasil, dizendo que os israelenses são loucos, tudo isso num “mutirão de inglês”. Quando passamos pelos soldados que faziam a segurança de uma entrada, trocamos algumas palavras com eles e um civil que estava no meio nos convidou para tomar um chá. Topamos. Conhecemos sua esposa, filho e batemos papo um tempão. O cara estava desempregado, mas é músico e graduado em hotelaria. A casa é simples, com retratos de um tio e do pai, que morreu na última intifada. Como é praticamente impossível conversar com um palestino sem falar na relação com Israel, este acabou sendo o assunto predominante.

Quais são as principais carências dos palestinos no campo?

Renilza - Eu diria que seriam o pleno direito de ir e vir, empregos e perspectivas. Como disse em um momento o nosso anfitrião, ele, que nasceu no campo, acorda todos os dias e, ao olhar pela janela, a única coisa que pode ver é o muro. Este rapaz nos disse que há mais de 14 anos ele não visita Jerusalém, que fica a poucos minutos de sua casa.

Há muita tensão no ar?

Ricardo - Muita. Tente imaginar que aquele é um cenário de um povo muito poderoso dominando outro e ambos são muito orgulhosos de si e existe um ódio que não é possível disfarçar. A qualquer momento um adolescente, por exemplo, pode atirar uma pedra em um soldado, que responderá com tiros e isso tudo pode gerar mais uma guerra. A tensão é muito grande e nós mesmos fomos vítimas. Assim que entramos no campo, depois de caminhar uns 150 metros, um veículo militar parou na porta por onde entramos e quatro soldados desceram. Pensamos que eram israelenses e que nos dariam uma geral quando saíssemos. Ficamos com medo. Mas nos informamos e eram palestinos. Depois acabamos batendo um papo muito legal com os caras.

Como é o lazer em Aida?

Ricardo - Vimos uma escola com uma quadra e mais nada. Mas a galera se vira. Conversando com os soldados palestinos, vimos que são jovens normais, mulherengos, gozadores, usam facebook, gostam de futebol…

Como eles veem o futuro?

Ricardo – O jovem que nos recebeu em sua casa nos disse que não consegue pensar em um futuro que vá além de uma semana. Ao mesmo tempo em que faltam perspectivas, várias pessoas nos disseram que o que querem é paz. Quase ninguém gostaria de ver uma guerra do Irã com Israel, pois sabem que vai sobrar é para eles. Acredito que o fato de o Irã ser xiita e eles serem sunitas tem um peso importante. Os que são mais religiosos não veem com bons olhos os “favores” prestados pelo Irã. Entendi que o que todos querem é poder trabalhar e levar a vida. Para isto é preciso, antes de tudo, paz. Ir trabalhar ou viver fora, como na Jordânia, por exemplo, seria uma solução para muita gente.

Vocês conversaram de política internacional? Como eles se referem a Israel, Estados Unidos, Brasil?

Ricardo - Contra Israel só há ódio. Um senhor nos disse que Israel foi o presente maldito deixado pelos ingleses. Um garoto de uns 11 anos nos disse que os israelenses são loucos. Os Estados Unidos, ao mesmo tempo em que os atrapalham ajudando Israel, são uma fonte de esperança, pois se um dia eles mudarem de ideia, tudo mudaria para os palestinos em questão de meses. Alguns estavam temerosos com a possiblidade de vitória do Romney [a visita ocorreu antes das eleições presidenciais nos Estados Unidos]. Outros diziam que, ganhasse quem ganhasse, não mudaria nada. O Brasil é muito admirado e amado. O futebol ajuda muito, mas a aproximação promovida no governo Lula foi muito importante. Como exemplo, o local onde foi construído o mausoléu de Yasser Arafat em Ramallah fica na Avenida Brasil. Segundo um palestino que conhecemos, o motivo é que o governo brasileiro ajudou na construção das ruas que dão acesso ao monumento, que é um dos mais vistosos da cidade.

Como vocês perceberam a realidade feminina no campo de refugiados?

Renilza - Na verdade, dentro do campo tivemos contato com poucas pessoas. As ruas estavam bem vazias. Na casa que visitamos a esposa não tinha emprego nem muitas perspectivas, assim como o marido. Mas fora do campo, vimos as mulheres palestinas bem ativas, trabalhando, estudando, passando pela dura rotina de atravessar os pontos de controle diariamente. Acredito que, dentre os que são muçulmanos, os palestinos são menos conservadores que seus vizinhos árabes. Isto porque as mulheres se vestem de forma um pouco mais liberal, andam sozinhas, trabalham e estudam.

Qual é o balanço dessa experiência?

Ricardo – Foi um dos pontos mais emocionantes da viagem. Desde minha adolescência acompanho por livros, revistas e outras fontes o conflito árabe-israelense. Posso dizer que desde o início me posicionei do lado palestino. Visitar Israel, duas cidades palestinas, Aida, ser tratado com desprezo na imigração por ter ido ao Irã, passar pelos postos de controle duas vezes junto com os palestinos, sentir de perto a opressão concretizada pelos muros, ser extremamente bem tratado pelos palestinos e não receber sequer um olá de um judeu, talvez por eu ser parecido com os árabes, tudo isso me deixou muito aliviado, com a sensação de que escolhi o lado certo. Conhecer de perto dois povos que praticamente estão em guerra e suas realidades me forçou a ver de uma forma mais madura e menos romantizada como é viver em estado de guerra.

Como vocês avaliam o reconhecimento da Palestina pela ONU, ocorrido algumas semanas depois dessa visita?

Ricardo - Foi um passo importante. Isto legitima os anseios dos palestinos. Mais importante do que ser aceito, o fato de terem tido 138 votos a favor contra apenas nove contrários evidencia que ali ocorre uma grande injustiça. A curto prazo não muda nada, mas este reconhecimento é uma mensagem dada pela grande maioria dos povos, que reconhecem a Palestina como um Estado com os mesmos direitos dos demais. Israel recebeu uma mensagem em letras garrafais de que eles não são os donos da Palestina e que a insistência neste caminho poderá levar a um isolamento.

Fotos: acervo pessoal de Ricardo Gomes e Renilza Violante.

Bookmark and Share


31

Oct

12

O Mundo Amanhã: As Vozes de Guantánamo

No quinto episódio da série, Julian Assange entrevista Moazzam Begg, ex-detento de Guantánamo, e Asim Qureshi, advogado que largou o mundo corporativo para lutar contra os abusos da guerra ao terror

Desde o início da ofensiva norte-americana, em 2001, na chamada Guerra ao Terror, centenas de prisioneiros foram levados à base de Guantánamo onde permanecem encarcerados sem acusação formal e sem direito à defesa.

O britânico Moazzam Begg, intelectual muçulmano detido sob suspeita de ser integrante da Al-Qaeda, é um deles. Preso em 2002 no Afeganistão, só foi libertado três anos depois, sob muita pressão do Reino Unido. Jamais foi acusado formalmente de terrorismo.

Ao sair de Guantánamo, Begg juntou-se ao advogado Asim Qureshi para fundar aCagepriosioners, organização que defende o direito ao devido processo legal para prisioneiros detidos na guerra contra o terrorismo.

“O que você tem que entender é que, até onde os muçulmanos sabem, eles estão sob ataque em países ao redor do mundo todo. Há centenas de milhares de pessoas morrendo”, diz Asim Qureshi, em entrevista concedida a Julian Assange durante sua prisão domicliar, no interior da Inglaterrada. “E se você olhar o conceito de jihad no contexto atual, ele diz que, como muçulmanos, temos o direito de nos defendermos. Não tem sentido dizer que as pessoas que estão sendo mortas por ocupações, domínios coloniais, racismo, não devem se defender e devem continuar levando tapas, sendo estupradas…”

Julian pergunta, então, se esta “defesa” significaria resistência militar. “Claro”, responde o advogado, ponderando que as “armas” da Cageprisoners são o lobby e as campanhas.

Para Moazzam Begg, que hoje é um reconhecido defensor de direitos humanos, a grande diferença na guerra ao terror entre as administrações Bush e Obama foi a seguinte: “Eu costumava dizer que Bush era o presidente do governo em que as detenções extrajudiciais estavam acontecendo. Mas o Obama é o presidente do governo em que as mortes extrajudiciais estão acontecendo. Então, Obama prometeu uma mudança, disse que a mudança tinha chegado à América. E é isso: a mudança é de detenções extrajudiciais para mortes extrajudiciais”.

Assista a entrevista a seguir, ou clique aqui para baixar o texto na íntegra.

Esta é a quinta de uma série de 12 entrevistas que o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, fez com líderes e pensadores contemporâneos. DVeras em Rede publica O Mundo Amanhã em parceria com a Agência Pública e o WikiLeaks.

Bookmark and Share


15

Jun

12

Resposta de Edemar Cid Ferreira

A respeito da matéria sobre o mapa da corrupção, recebi esta mensagem da Agência Pública, compartilho e incluo no final do texto:
O Sr Edemar Cid Ferreira entrou em contato com a Agência Pública pedindo para que publicássemos sau resposta sobre a reportagem “Explore o mapa da corrupção mundial”. A Pública vai incluir o seguinte parágrafo no final do texto. Fiquem a vontade para incluí-lo nas suas publicações.
Após a publicação da reportagem, Edemar Cid Ferreira entrou em contato com a agência Pública para pedir que sua resposta fosse publicada. Ele reitera que a página do Banco Mundial traz um “disclaimer” explicando que “as constatações, interpretações e conclusões expressas no banco de dados não refletem necessariamente a opinião dos diretores executivos do Banco Mundial ou dos governos que eles representam” e que o Banco Mundial “não garante a exatidão das infomações dos dados incluídos neste trabalho”. O disclaimer termina explicando que “nem o Grupo Banco Mundial nem seus escritórios ou empregados serão legalmente responsáveis por quaisquer perdas que possam resultar direta ou indiretamente do uso ou confiança nestas informações”.
Todos os nomes e detalhes dos casos de brasileiros acusados de corrupção continuam no site “Stolen Asset Recovery Iniciative”, do Banco Mundial, conforme descrito na reportagem da Pública.
Bookmark and Share


30

May

12

Extradição de Assange pode ser revista

Em entrevista, o porta-voz do WikiLeaks Kristinn Hrafnsson diz que a organização tem novos vazamentos na manga: “Continuamos vivos”.

Por Natalia Viana, da Agência Pública

Hoje pela manhã a corte suprema do Reino Unido anunciou sua decisão a favor da extradição de Julian Assange para a Suécia, onde é investigado por crimes sexuais. Mas a batalha ainda não acabou.

A advogada de Julian, Dinah Rose, tem 14 dias para pedir uma última revisão da decisão. O caso já se arrasta na justiça britânica há um ano e meio – durante todo este período, Julia está em prisão domiciliar, podendo sair apenas durante o dia. Ele ainda é obrigado a usar uma tornozeleira eletrônica que monitora todos os seus movimentos. Desde a prisão domiciliar ele comanda um programa de entrevistas com pensadores, políticos e ativistas para o canal estatal russo RT, The World Tomorrow.

A Pública conversou com Kristinn Hrafnsson, porta-voz do WikiLeaks, sobre a decisão de hoje:

Como foi recebida a decisão da Corte Suprema?

Há sentimentos misturados na equipe. Ficamos desapontados com a derrota, mas os advogados ficaram surpresos com os argumentos utilizados, que eram totalmente novos e não haviam sido usados durante as audiências anteriores. Foram 5 juízes a favor (da extradição) e 2 contra. Os favoráveis se basearam na Convenção de Viena sobre a Lei dos Tratados, mas este ponto não havia sido discutidos. É uma decisão surpreendente e interessante, porque é uma combinação da legislação europeia com a decisão do parlamento britânico.

Como assim?

O que os juízes disseram é que quando o acordo do tratado de extradição europeu (European Arrest Warrant) foi assinado, os parlamentares não entenderam a contradição entre as leis. Pela lei britânica, um procurador não é visto como uma autoridade judicial. É uma grande surpresa do ponto de vista legal, e muito interessante.

Quais as consequências legais para outros casos semelhantes?

Em geral, isso significa que um procurador pode pedir a extradição de alguém que está sendo investigado por um crime, mesmo que ele não esteja sendo processado formalmente – é o caso do Julian. Mas eu acho que as implicações legais não podem ser determinadas até depois destas duas semanas, quando haverá uma decisão final. A corte suprema pode permitir que nossos advogados contra-argumentem com base neste novo fato (o Tratado de Viena), e isso pode alterar toda a decisão.

Por que Julian está tão empenhado em não ser extraditado? O que pode acontecer se ele for extraditado para a Suécia?

Olha, vamos ver o que acontece, passo a passo. Mas temos fortes indícios de que os Estados Unidos podem pedir a sua extradição da Suécia. Não há nenhum pedido formal ainda, mas sabemos, com base nos emails vazados da empresa de inteligência Stratfor – o último vazamento do WikiLeaks – que existe uma acusação secreta contra Julian. Essa acusação teria sido expedida por um júri secreto que se reuniu durante meses em Alexandria, na Virgínia. Nem a acusação nem a decisão do júri foram apresentados ao público.

Dizem que é a possível prisão de Julian é um último golpe ao WikiLeaks, uma organização que tem sofrido problemas financeiros desde que os cartões de crédito suspenderam pagamentos. O WikiLeaks tem futuro?

Se Julian for preso, temos um plano, é claro, mas não vamos discutir isso em público. Estamos nesta batalha há quase dois anos e continuamos aqui, continuamos vivos. Então vamos ver o que acontece. No caso dos cartões de crédito, entramos com uma petição na Comissão Europeia contra Visa e Mastercard na Comissão Europeia, já que eles estão fazendo um bloqueio ilegal contra nós. Nas próximas semanas a Comissão vai decidir se abre ou não uma investigação contra essas empresas.

Quais os próximos passos do WikiLeaks?

Ainda há alguns episódios da série World Tomorrow, e o vazamento dos documentos da Stratfor ainda não terminou, temos 25 veículos do mundo todo trabalhando com os documentos e estamos ampliando as parcerias. Lançamos uma rede social, a Friends of WikiLeaks, para articular nossos apoiadores.

E haverá mais vazamentos?

Claro! Novos vazamentos devem sempre ser esperados. Sempre temos novos projetos de publicações na fila.


Bookmark and Share


20

Apr

12

Eu, produto

“Eu não estou preocupado com a política de privacidade do Facebook, porque não coloco dados que não quero que se tornem públicos… Eu não me importo que os anunciantes saibam esses dados. Algumas vezes é útil, porque eu recebo anúncios que servem para mim”. Declaração de Jon “Maddog” Hall, principal responsável pelo desenvolvimento do Linux, na ótima reportagem de capa da revista Retrato do Brasil sobre o FB. Faz sentido. E não é contraditório com o que diz o escritor e pesquisador Michael Bawens, que publica no site da Al Jazeera: “Se é grátis, então você é o produto que está sendo vendido”.

p.s.: Aí em cima, leia-se “faz sentido em termos”. Nem tudo faz sentido. E buscar a simplificação da complexidade nem sempre ajuda a gente a entender as coisas. Tem uns complementos aí nos comentários.

Bookmark and Share


09

Apr

12

Making-of: segurança no trabalho

Trabalhadores de uma obra da Koerich Construções e eu durante gravações de uma videoaula em Floripa. Foto de Jerry Bittencourt com uma GoPro, camerazinha com lente grande angular que tira fotos e grava imagens em Full HD. É bastante usada por praticantes de esportes de aventura. Nessa obra, amarramos a câmera num carrinho de mão e pegamos boas cenas de um operário transportando areia. A videoaula sobre a profissão de técnico em segurança no trabalho foi produzida pela Secretaria de Educação a Distância (SEaD) da UFSC para a Rede e-Tec, do Ministério da Educação.

Bookmark and Share


01

Mar

12

Matter

Vale prestar atenção na proposta dessa nova revista de grandes reportagens sobre ciência e tecnologia. Em uma semana, os autores do projeto conseguiram 85 mil dólares via crowdfunding.

“Matter vai se concentrar em fazer excepcionalmente bem uma única coisa. A cada semana, publicaremos uma reportagem de fôlego sobre grandes temas de ciência e tecnologia. Nada de resenhas baratas, artigos de opinião sarcásticos ou listas dos dez mais. Apenas uma matéria imperdível.”

(via revista piauí)

 

Bookmark and Share


01

Dec

11

Gay Talese fala ao Trindade Times

Trecho da entrevista concedida em 18 de outubro ao jornal-mural Trindade Times, atividade final da disciplina Edição do curso de Jornalismo da UFSC, por Marília Marasciulo, publicada no site Cotidiano:

TT: O que o senhor recomendaria a um estudante de Jornalismo?

GT: Ceticismo. Não acredite em nada a menos que você mesmo possa provar. Não acredite em fontes secundárias. Não acredite em ninguém, até que você vá até lá, observe e tenha certeza de que está certo. Faça você mesmo, não delegue. Se levar um pouco mais de tempo, e daí? Você não tem que fazer em quatro minutos, faça em cinco horas, mas faça direito. Leve o tempo que precisar, porque o quê você escreve hoje significa algo sobre amanhã. Eles [jornalistas] pensam que escrevem hoje, e que amanhã tem outra coisa, e depois de amanhã outra, mas eles têm que saber que devem demorar mais. Faça um trabalho melhor. Faça um trabalho melhor porque as pessoas precisam saber a verdade, e elas não têm recebido muita verdade ultimamente. Elas recebem muita especulação, e muita informação que vem de fontes pouco confiáveis.

Leia a íntegra aqui

Bookmark and Share


27

Jun

11

Carvão: relatório corrobora denúncia de mortes

O assunto tratado no post de ontem está em matéria da Folha de S. Paulo de hoje, seção Ambiente.

Relatório sobre carvão ilegal corrobora denúncia de mortes no PA

JOÃO CARLOS MAGALHÃES
FILIPE COUTINHO
DE BRASÍLIA

Produtoras de ferro-gusa do polo de Carajás, na Amazônia, continuam usando carvão de origem ilegal, burlando um instituto que elas mesmas criaram há sete anos para fiscalizar a produção do insumo.

A conclusão é de um relatório produzido pela ONG Observatório Social, que desde 2004 investiga a produção de gusa no polo siderúrgico –o maior do país depois do de Minas Gerais.

O documento corrobora denúncias feitas recentemente pelo casal de líderes extrativistas José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo da Silva, cujos assassinatos no final de maio em Nova Ipixuna (PA) levaram o governo federal a montar uma operação para brecar a violência rural na Amazônia.

No relatório, a ONG comparou a produção real de gusa no ano passado e a produção possível com o carvão fiscalizado pelo ICC (Instituto Carvão Cidadão).

O instituto foi criado pelas empresas em 2004 para auditar as carvoarias, em resposta a uma pesquisa do próprio Observatório Social daquele ano, que diagnosticou trabalho análogo ao escravo na produção carvoeira.

O resultado da comparação foi que, no caso de metade das guseiras avaliadas (quatro), a produção real excedeu a produção possível em até 155%. (…)

Bookmark and Share