Posts de 2019

30

Aug

19

Cidades mais populosas do Brasil

Exercício de criação de infográfico usando a ferramenta online Datawrapper.

 

Bookmark and Share


13

Aug

19

Don Draper, personagem memorável

mad menNão vos trago novidades, passei só pra contar que finalmente terminei de ver a série Mad Men, exibida entre 2007 e em 2015. Confesso que na época não me fisgou e interrompi no primeiro episódio. Finalmente resolvi encarar e só tenho elogios. Roteiro, diálogos, cenários, figurino, arco dramático dos personagens, atores e atrizes, trilha sonora (Tomorrow Never Knows, dos Beatles, que fecha um dos episódios, custou 250 mil dólares à produção)… Tudo muito caprichado. Não por acaso ganhou 137 prêmios e foi indicada a outros 372.

Don Draper (Jon Hamm), o destruidor de corações das mulheres, que personagem bem construído e complexo! As pontes entre o passado misterioso e o presente dele explicam (sem entregar de uma só vez) sua dependência por sexo, a carência afetiva, o sentimento de culpa e inadequação, misturados com alcoolismo, senso de lealdade, genialidade e eloquência. Admirado, desejado e invejado, nunca ignorado. Nem bom nem mau, um humano com várias definições possíveis. “Frio como um peixe”, diz alguém num certo momento, referindo-se ao modo reservado que adota como couraça (sem spoilers, mas a resolução de seu drama e o fechamento da história, na sétima temporada, são brilhantes).

Como tema central, a evolução do mundo da publicidade entre os anos 1950 e 1970, com seus lances de brilhantismo, golpes baixos e manipulação da opinião pública, doses cavalares de cigarro e álcool, camaradagem e um prazer de trabalhar em equipe que me despertaram lembranças agridoces dos tempos de redação de jornal. Em paralelo, uma excelente reconstituição de época, pontuada por acontecimentos marcantes como a crise dos mísseis em Cuba, os assassinatos de Kennedy e Luther King e a chegada dos astronautas à lua.

Tão relevante quanto esse pano de fundo é a crônica de costumes sobre o empoderamento das mulheres, na família e no trabalho. A trajetória de Peggy (Elisabeth Moss), secretária ambiciosa que quer se tornar publicitária, é uma metáfora de muitas conquistas femininas (e por falar em metáforas, muito foda a animação de abertura). Também gostei da evolução da filha de Don, Sally (Kiernan Shipka), que no começo é uma menina e vemos se tranformar em uma adolescente de personalidade forte, fundamental na evolução do seu pai. Há vários outros personagens muito bons.

Eu poderia passar uma noite inteira conversando sobre Mad Men num boteco, tamanha a impressão que me causou. No momento estou “órfão de séries”, com a sensação de tempo bem aproveitado.

Bookmark and Share


17

Jul

19

Três microcontos bem black mirror

Usou o app de se ver mais velho; viu a viúva já bem alegre.

~

Usou o app de se ver mais velho; viu-se aposentado com meio salário mínimo.

~

Não usou o app de se ver mais velho; mais tarde, fazendo a barba, viu-se mais velho.

 

Bookmark and Share


06

Jul

19

Pra que discutir com madame?

Uma #miguelice em homenagem a João Gilberto, neste dia da sua partida. Os meninos – acho que tinham oito e cinco anos na época – brincavam de pular na nossa cama e a mãe mandou pararem. Obedeceram, mas Miguel saiu cantarolando:
- Vamos acabar com o samba / madame não gosta que ninguém sambe…

Bookmark and Share


17

Apr

19

A realidade não é o que parece

realidadeLeitura iniciada.

(Carlo Rovelli, Objetiva, 2017)

“O espaço e o tempo realmente existem? De que é feita a realidade? De onde vem a matéria? O cientista Carlo Rovelli passou a vida inteira investigando essas questões, tentando ampliar os limites do que sabemos. Em A realidade não é o que parece, ele revela como nossa compreensão da realidade mudou ao longo dos séculos, de Demócrito à gravidade quântica em loop. Rovelli nos guia por uma jornada maravilhosa e nos convida a imaginar um mundo completamente novo onde os buracos negros estão esperando para explodir, o espaço-tempo é feito de grãos e o infinito não existe – um vasto universo amplamente desconhecido”.

Bookmark and Share


04

Apr

19

Dois filmes bons, um filme bosta

CANDELÁRIA (2017), do diretor cubano Jhonny Hendrix, se passa no chamado “regime especial”, na década de 1990, quando o fim da União Soviética provocou penúria no país caribenho. Os aposentados Candelária e Victor Hugo quebram a rotina de privações e tédio quando ela encontra uma câmera de vídeo roubada e eles começam a filmar suas brincadeiras eróticas. Um dia a câmera desaparece, com consequências inesperadas. Trata de amor na velhice com delicadeza e talento.

MANOS SUCIAS (Mãos Sujas, 2014), do colombiano Josef Kubota Wladyka, acompanha a jornada perigosa de um pescador e seu amigo adolescente que viram “mulas” do tráfico de cocaína e transportam uma carga de barco até o Panamá pela costa do Pacífico. Tensão e suspense do princípio ao fim, numa história bem contada que mostra um pouco do cotidiano das comunidades negras locais. Ganhou o festival de Tribeca como melhor narrativa de novo diretor.

TRIPLE FRONTIER (Operação Fronteira, 2019), de J.C. Chandor. O personagem interpretado com a habitual canastrice por Ben Affleck se une a amigos mercenários pra roubar uma fortuna em dólares na casa de um traficante no Brasil. Depois de muitos tiros contra bandidos latinos estereotipados e perseguições inverossímeis, eles fogem cruzando os Andes peruanos (ok, a paisagem é linda). Clichês em abundância sobre ganância, lealdade, pecado e redenção, até o final previsível. Se você tiver algo melhor pra fazer, não perca seu tempo.

Todos estão disponíveis no Netflix. Grato ao Mauro Sniecikowski pelas duas primeiras dicas certeiras. A terceira é de minha inteira responsabilidade. :)

Bookmark and Share


14

Feb

19

O Brasil que pedala

O Brasil que pedala: a cultura da bicicleta nas cidades pequenas

Recebi da Aliança Bike este livro delicioso organizado pelos pesquisadores e cicloativistas André Soares e Daniel Guth. A equipe de autores aborda a cultura da mobilidade urbana no Brasil a partir do cotidiano de 11 cidades pequenas: Afuá (PA), Antonina (PR), Cáceres (MT), Gurupi (TO), Ilha Solteira (SP), Mambaí (GO), Pedro Leopoldo (MG), Pomerode (SC), São Fidélis (RJ), Tamandaré (PE) e Tarauacá (AC). Já estou na metade da leitura e encantado com o resultado.

“O Brasil que pedala” (ed. Jaguatirica, 2018) combina rigor metodológico e bons infográficos com crônicas sobre um Brasil profundo que se move em outro ritmo. Um país que às vezes até esquecemos que existe e resiste. O uso da bicicleta nas cidades com até 100 mil habitantes tem muito a ensinar sobre planejamento urbano nos grandes centros. Parabéns à Aliança Bike, Bicicleta para Todos, União dos Ciclistas do Brasil, Bike Anjo e a todas as organizações locais de ciclistas que viabilizaram a obra.

Bookmark and Share


19

Jan

19

Manual da faxineira

luciaberlin

Comecei bem o ano de leituras com o Manual da Faxineira, extraordinário livro de contos sugerido pela Laura. Lucia Berlin (1936-2004) escrevia de um jeito compassivo, engraçado, agridoce e direto ao leitor, não deixando nada a dever a mestres da narrativa curta como John Fante, Raymond Carver, Paul Auster, Alice Munro, Rubem Braga.
As histórias dessa coletânea, todas de inspiração autobiográfica, apresentam a vida movimentada de uma criança solitária nascida no Alasca e criada no Novo México, adolescente de elite no Chile, boêmia hipster em Nova York, enfermeira em Oakland nos 70 e, no final da vida, professora universitária. Foi também faxineira e professora de crianças, casou três vezes, teve quatro filhos, um caso tórrido com um rapaz de 17 anos, amigo de um deles, e passou anos enfrentando o alcoolismo.
Seus personagens vêm e vão ao longo das histórias, apresentados por pontos de vista diferentes em várias situações cotidianas. Um recorrente é a irmã mais nova, que está com câncer terminal e com quem ela passa um tempo na Cidade do México. A maneira como ela descreve a personalidade do seu namorado adolescente se aplica muito bem ao tom das narrativas:
“Ele não era gentil. ‘Gentil’ é uma palavra como ‘caridade’; implica um esforço. Como aquela frase de para-choque de caminhão que fala de gestos aleatórios de gentileza. Gentil deveria ser o modo como uma pessoa é sempre, não um gesto que ela opta por fazer. Jesse tinha uma curiosidade compassiva em relação a todo mundo”.
Quando eu crescer, quero escrever como Lucia Berlin.

Bookmark and Share