Posts com a categoria ‘jornalismo’

08

Mar

17

Chineses interessados no vinho de SC

Parreiral com uvas maduras. Foto de Dauro Veras

Parreiral com uvas maduras. Foto de Dauro Veras

A edição 2017 da Vindima de Altitude de Santa Catarina, aberta no dia 3, já trouxe a primeira repercussão internacional. O cônsul-geral da China em São Paulo, Song Yang, confirmou visita ao estado. Embora o roteiro ainda não esteja definido, deve incluir as vinícolas da região serrana. Ele virá em abril, acompanhado por um grupo de empresários.

A indústria do vinho interessa muito aos chineses. Hoje a China é o quarto maior mercado vinícola do mundo, atrás de EUA, Reino Unido e França, e deve chegar à segunda posição até 2020, com US$ 21 bilhões em vendas.

Iniciada há menos de duas décadas, a vitivinicultura de altitude em SC – entre 900 e 1,3 mil metros – está se consolidando com excelentes resultados. Suas 30 vinícolas têm diversos rótulos premiados, com destaque para os espumantes. Também geram empreendimentos no turismo e na gastronomia. Esta semana foram anunciados novos negócios nos segmentos de sorvetes e cosméticos.

O roteiro dos vinhos de altitude foi visitado por uma equipe da agência de notícias Xinhua, maior centro de distribuição de notícias do país asiático, com 300 milhões de acessos/dia no portal em sete idiomas. Seu diretor no Brasil, Chen Weihua, ficou impressionado com a qualidade das vinícolas e acredita que essa cadeia de valor pode gerar boas oportunidades de investimentos. A Vindima de Altitude prossegue até o dia 26 em São Joaquim e municípios vizinhos.

Bookmark and Share


28

Aug

16

Lembranças de um ex-repórter de polícia

Entrei na reportagem pela editoria de polícia, como tantos focas. Melhor lugar pra aprender a escrever sem firulas, direto ao ponto, com verbos de ação. Cavalo invade delegacia. Acusado de furto faz declaração de amor. Eram tempos mais tranquilos, em que homicídio sempre dava capa – só uns 20 por ano na província, na década de 80.

De vez em quando a calmaria era quebrada. Durante o sequestro dos filhos dos Brandalise em Videira, participei de uma megacobertura de O Estado, acompanhando a parte final: o tiroteio em um prédio de Balneário Camboriú. Baita equipe. Entrei no hospital e entrevistei o sequestrador, ferido e algemado a uma maca.

Meus editores foram o Carlão Paniz e o Paulo Goeth. A eles, e ao então secretário de redação (ou algo assim) Ademar Vargas de Freitas, devo muitas canetadas pedagógicas no meu texto, naquelas laudas de 20 linhas de 70 toques, hoje artigos de museu. Assim como o moderníssimo telex, com aquela fitinha perfurada que trazia os despachos das agências de notícias.

A redação era enfumaçada e barulhenta, com todas as Remington matraqueando na hora do fechamento, as entrevistas por telefone, a rádio-escuta, fotógrafos escolhendo material, editores conversando com diagramadores, piadas e risadas. Dava pra sentir a pulsão no ar: aquelas pessoas encarnavam a confissão de García Márquez de que o “jornalismo é a melhor profissão do mundo”. Fiquei dois anos cobrindo polícia, depois passei pra geral.
#jornalismo30anos

Bookmark and Share


26

Aug

16

Flashbacks sonoros

A gargalhada solta do Bonson na redação. O vozeirão do Renan com um cartaz na porta do DC, “Quero meu salário!” O som agudo da máquina de telefoto, que baixava uma imagem completa em minutos.
#jornalismo30anos

Bookmark and Share


24

Aug

16

Sugestão de uso para dicionários

Na revisão de O Estado a gente jogava o significado das palavras apostando cerveja. Que era paga no mesmo dia, no boteco dos fundos da redação. #jornalismo30anos

Bookmark and Share


24

Aug

16

Barquinho

Meu primeiro texto publicado em jornal, que eu me lembre, foi no Estadinho, suplemento infantil de O Estado que era editado pelo talentoso Fabinho Brüggemann. História sobre um menino que gostava de tomar banho de chuva e soltava barquinhos de papel com meleca na correnteza da rua. Meio autobiográfica, tirando a meleca. O Estadinho foi o melhor suplemento infantil que já li. Imaginativo, engraçado, poético, nunca subestimava a inteligência das crianças. E saía em cores, com belas ilustrações.
#jornalismo30anos

Bookmark and Share


24

Aug

16

30 anos de jornalismo

No dia 22 de agosto completei 30 anos de exercício do jornalismo. Começo a contar da minha contratação com carteira assinada como revisor de O Estado, em Floripa. Muitas histórias, pessoas, viagens e aprendizados.

Bookmark and Share


25

Aug

15

Turismo de aventura em Santa Catarina

Criança pratica rapel em Santo Amaro da Imperatriz (SC). Foto de Caio Cezar.

Criança pratica rapel em Santo Amaro da Imperatriz (SC). Foto de Caio Cezar.

Com as pernas flexionadas, Enzo Dutra Pasetti desce nas pedras do riacho, sustentado pelo equipamento de segurança. Os respingos de água fria e a dança dos raios de sol na floresta dão sabor especial à sua primeira experiência de rapel de cachoeira. Enzo é orientado de perto pelo instrutor Juliano Martins. A descida termina em uma piscina natural e ele logo está pronto para outra atividade: o arvorismo, um passeio pela copa das árvores a 15 metros de altura. Estamos no hotel Plaza Caldas da Imperatriz, uma estância de águas termais a 48 km de Florianópolis, entre montanhas e Mata Atlântica. Enzo, sete anos de idade, está maravilhado com a experiência. Este é um dos muitos lugares de beleza natural extraordinária que fazem de Santa Catarina um dos melhores destinos brasileiros de turismo de aventura para todas as idades.
Leia mais

Bookmark and Share


08

Aug

15

“Preconceito é preguiça de pensar”

LigiaFascioni_web

Uma entrevista com a engenheira e consultora Lígia Fascioni sobre os desafios da inovação, design thinking e a importância da musculação cerebral.

Entrevista a Dauro Veras
Julho de 2015

Peço licença para abrir este texto com uma digressão e autorreferência pouco usual. Esses dias fiz uma estimativa conservadora do número de pessoas que já entrevistei em meus 29 anos como repórter: em torno de 9 mil, nas mais diversas áreas de conhecimento. Muitas dessas conversas jamais vieram a público. Guardo em mente o conselho de um antigo professor, Miguel de Urabayén. Ele costumava dizer que o bom jornalista só publica 10% do que sabe. Outro aforismo do mestre espanhol ajuda a reforçar a autoestima deste especialista em generalidades: “O bom jornalista não é aquele que sabe; é o que sabe quem sabe.”

Numa simplificação extrema, as pessoas que entrevistei poderiam ser classificadas em três categorias do ponto de vista do interesse jornalístico, na ordem decrescente de quantidade: as irrelevantes, as interessantes e as indispensáveis. Faz parte desta última categoria um pequeno número de indivíduos inquietos, criativos, movidos por grandes desafios intelectuais e que são generosos ao compartilhar conhecimento. Assim é Lígia Fascioni: alguém que deixa sua marca por onde passa e nos ajuda a ir além dos lugares comuns.

Engenheira eletricista de formação, Lígia tem transitado sem susto entre a robótica e o design, a aviônica e o estudo de idiomas, o marketing corporativo e a arte de viajar de motocicleta. Também fotografa e escreve bem – é autora de sete livros e mantém um blog sobre seus temas de interesse (veja os links). Desde 2011 ela mora com o marido em Berlim, de onde, em julho, me respondeu por e-mail algumas perguntas sobre inovação. Acho que esta entrevista deixaria satisfeito o professor Urabayén, pois faz parte das 10% das minhas conversas que merecem ser publicadas e a fonte domina o assunto. Mas a avaliação cabe a você.

Leia mais

 

Bookmark and Share


09

Apr

15

Um modelo de precisão milimétrica

 

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Um perfil de Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces, que publiquei no Valor de 30 de março. Versão em pdf

Em maio de 1992, dois estudantes universitários caminhavam descalços pela praia de Garopaba, depois de almoçarem camarão com cerveja num restaurante à beira-mar. Eles faziam uma pausa na viagem de volta a Florianópolis, depois de uma bem sucedida reunião ocorrida numa fábrica de móveis no litoral sul do estado. Claudio Grando e Ricardo Cunha comemoravam a conquista do primeiro cliente para uma solução tecnológica desenvolvida por eles em um laboratório da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Com a água do mar molhando seus pés, decidiram abrir uma empresa.

Assim nascia a Audaces, hoje uma referência global em tecnologia de ponta no segmento de moda, com 8,5 mil clientes em 70 países. “Nosso primeiro produto foi um sistema para planejamento de corte de chapas de madeira, resultado do trabalho de conclusão de curso”, conta Ricardo Cunha, diretor de pesquisa e um dos sócios majoritários da multinacional catarinense. Dois motivos os incentivaram a montar o próprio negócio: “Vimos que muitas soluções criadas na universidade não chegavam à indústria, e também queríamos trabalhar num lugar legal, com gente legal”. (…)

Bookmark and Share


22

Mar

15

O valor estratégico da pegada hídrica

Reportagem que publiquei no Valor Econômico em 20 de março:

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

O total de água incorporada aos produtos que saem pelos portos brasileiros chega a 112 trilhões de litros anuais, equivalentes a 45 milhões de piscinas olímpicas, segundo estudo da Unesco. Esse volume coloca o Brasil em quarto lugar no ranking de exportadores brutos do recurso, atrás dos Estados Unidos, China e Índia.

Embora ainda não seja contabilizada nas trocas comerciais, a água virtual tende a ganhar valor estratégico em um cenário mundial de escassez hídrica. Isso abre oportunidades para o protagonismo do Brasil, que dispõe do recurso em abundância, mas precisa avançar na sua conservação.

Um instrumento de pesquisa relevante na área é a “pegada hídrica” (“water footprint”, em inglês), criada em 2002 pelo pesquisador Arjen Hoekstra, da Universidade de Twente, Holanda, para calcular o uso direto e indireto da água, tanto por produtores quanto por consumidores na cadeia produtiva. A pegada hídrica média do consumidor brasileiro é de 5.550 litros por dia, uma vez e meia superior à média global, principalmente por causa do grande consumo de carne. (…)

Leia mais: reportagem | entrevista com Arjen Hoekstra

Bookmark and Share