Posts com a categoria ‘jornalismo’

24

Aug

16

30 anos de jornalismo

No dia 22 de agosto completei 30 anos de exercício do jornalismo. Começo a contar da minha contratação com carteira assinada como revisor de O Estado, em Floripa. Muitas histórias, pessoas, viagens e aprendizados.

Bookmark and Share


25

Aug

15

Turismo de aventura em Santa Catarina

Criança pratica rapel em Santo Amaro da Imperatriz (SC). Foto de Caio Cezar.

Criança pratica rapel em Santo Amaro da Imperatriz (SC). Foto de Caio Cezar.

Com as pernas flexionadas, Enzo Dutra Pasetti desce nas pedras do riacho, sustentado pelo equipamento de segurança. Os respingos de água fria e a dança dos raios de sol na floresta dão sabor especial à sua primeira experiência de rapel de cachoeira. Enzo é orientado de perto pelo instrutor Juliano Martins. A descida termina em uma piscina natural e ele logo está pronto para outra atividade: o arvorismo, um passeio pela copa das árvores a 15 metros de altura. Estamos no hotel Plaza Caldas da Imperatriz, uma estância de águas termais a 48 km de Florianópolis, entre montanhas e Mata Atlântica. Enzo, sete anos de idade, está maravilhado com a experiência. Este é um dos muitos lugares de beleza natural extraordinária que fazem de Santa Catarina um dos melhores destinos brasileiros de turismo de aventura para todas as idades.
Leia mais

Bookmark and Share


08

Aug

15

“Preconceito é preguiça de pensar”

LigiaFascioni_web

Uma entrevista com a engenheira e consultora Lígia Fascioni sobre os desafios da inovação, design thinking e a importância da musculação cerebral.

Entrevista a Dauro Veras
Julho de 2015

Peço licença para abrir este texto com uma digressão e autorreferência pouco usual. Esses dias fiz uma estimativa conservadora do número de pessoas que já entrevistei em meus 29 anos como repórter: em torno de 9 mil, nas mais diversas áreas de conhecimento. Muitas dessas conversas jamais vieram a público. Guardo em mente o conselho de um antigo professor, Miguel de Urabayén. Ele costumava dizer que o bom jornalista só publica 10% do que sabe. Outro aforismo do mestre espanhol ajuda a reforçar a autoestima deste especialista em generalidades: “O bom jornalista não é aquele que sabe; é o que sabe quem sabe.”

Numa simplificação extrema, as pessoas que entrevistei poderiam ser classificadas em três categorias do ponto de vista do interesse jornalístico, na ordem decrescente de quantidade: as irrelevantes, as interessantes e as indispensáveis. Faz parte desta última categoria um pequeno número de indivíduos inquietos, criativos, movidos por grandes desafios intelectuais e que são generosos ao compartilhar conhecimento. Assim é Lígia Fascioni: alguém que deixa sua marca por onde passa e nos ajuda a ir além dos lugares comuns.

Engenheira eletricista de formação, Lígia tem transitado sem susto entre a robótica e o design, a aviônica e o estudo de idiomas, o marketing corporativo e a arte de viajar de motocicleta. Também fotografa e escreve bem – é autora de sete livros e mantém um blog sobre seus temas de interesse (veja os links). Desde 2011 ela mora com o marido em Berlim, de onde, em julho, me respondeu por e-mail algumas perguntas sobre inovação. Acho que esta entrevista deixaria satisfeito o professor Urabayén, pois faz parte das 10% das minhas conversas que merecem ser publicadas e a fonte domina o assunto. Mas a avaliação cabe a você.

Leia mais

 

Bookmark and Share


09

Apr

15

Um modelo de precisão milimétrica

 

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Um perfil de Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces, que publiquei no Valor de 30 de março. Versão em pdf

Em maio de 1992, dois estudantes universitários caminhavam descalços pela praia de Garopaba, depois de almoçarem camarão com cerveja num restaurante à beira-mar. Eles faziam uma pausa na viagem de volta a Florianópolis, depois de uma bem sucedida reunião ocorrida numa fábrica de móveis no litoral sul do estado. Claudio Grando e Ricardo Cunha comemoravam a conquista do primeiro cliente para uma solução tecnológica desenvolvida por eles em um laboratório da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Com a água do mar molhando seus pés, decidiram abrir uma empresa.

Assim nascia a Audaces, hoje uma referência global em tecnologia de ponta no segmento de moda, com 8,5 mil clientes em 70 países. “Nosso primeiro produto foi um sistema para planejamento de corte de chapas de madeira, resultado do trabalho de conclusão de curso”, conta Ricardo Cunha, diretor de pesquisa e um dos sócios majoritários da multinacional catarinense. Dois motivos os incentivaram a montar o próprio negócio: “Vimos que muitas soluções criadas na universidade não chegavam à indústria, e também queríamos trabalhar num lugar legal, com gente legal”. (…)

Bookmark and Share


22

Mar

15

O valor estratégico da pegada hídrica

Reportagem que publiquei no Valor Econômico em 20 de março:

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

O total de água incorporada aos produtos que saem pelos portos brasileiros chega a 112 trilhões de litros anuais, equivalentes a 45 milhões de piscinas olímpicas, segundo estudo da Unesco. Esse volume coloca o Brasil em quarto lugar no ranking de exportadores brutos do recurso, atrás dos Estados Unidos, China e Índia.

Embora ainda não seja contabilizada nas trocas comerciais, a água virtual tende a ganhar valor estratégico em um cenário mundial de escassez hídrica. Isso abre oportunidades para o protagonismo do Brasil, que dispõe do recurso em abundância, mas precisa avançar na sua conservação.

Um instrumento de pesquisa relevante na área é a “pegada hídrica” (“water footprint”, em inglês), criada em 2002 pelo pesquisador Arjen Hoekstra, da Universidade de Twente, Holanda, para calcular o uso direto e indireto da água, tanto por produtores quanto por consumidores na cadeia produtiva. A pegada hídrica média do consumidor brasileiro é de 5.550 litros por dia, uma vez e meia superior à média global, principalmente por causa do grande consumo de carne. (…)

Leia mais: reportagem | entrevista com Arjen Hoekstra

Bookmark and Share


03

Mar

15

Cooperação Brasil-Cuba-Haiti

Bruna Canever (da UFSC, ao centro) com estudantes haitianos. Acervo do projeto

Bruna Canever (da UFSC, ao centro) com estudantes haitianos. Acervo do projeto

Um acordo de cooperação técnica entre Brasil, Cuba e Haiti está possibilitando a formação de profissionais haitianos para atuar na atenção primária à saúde neste país caribenho, o mais pobre das Américas, que foi devastado por um forte terremoto em 12 de janeiro de 2010. Em quatro anos de atividades, já foram titulados mais de 1.300 agentes de saúde comunitários, auxiliares de enfermagem, inspetores sanitários e agentes de saúde ambiental.

Da parte brasileira, a gestão é realizada pelo Ministério da Saúde, em parceria o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e com três instituições de ensino e pesquisa: a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). O acordo tripartite deu continuidade à atuação solidária do Brasil com o Haiti nas áreas de segurança e reconstrução da infraestrutura, iniciada logo após o desastre sísmico.

Coube à UFSC, com apoio administrativo da Fapeu, assumir a qualificação dos recursos humanos de nível médio na área da saúde. O Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da instituição já tem um histórico de parcerias bem sucedidas com o governo federal nessa área. A UFRGS contribuiu com a organização da rede de serviços e a Fiocruz, com a atuação nos campos de epidemiologia, imunização, comunicação e informação. Em torno de R$ 5 milhões foram investidos na formação desses profissionais.

SUS é referência

Visita de delegação haitiana ao Hospital Universitário da UFSC. À direita, a coordenadora do projeto, Flávia Ramos.

Visita de delegação haitiana ao Hospital Universitário da UFSC. À dir., gestora do projeto, Flávia Ramos. Foto: Soninha Vill.

“Estamos implantando um modelo inspirado na estratégia de saúde da família no Brasil”, diz a gestora operacional do projeto e coordenadora do Departamento de Pós-Graduação em Enfermagem da UFSC, Flávia Regina Ramos. Essa estratégia, adotada pelo Sistema Único de Saúde (SUS), enfatiza a atenção à família no local onde ela vive, valorizando as ações de promoção e proteção da saúde, a prevenção de doenças e a atenção integral às pessoas. Ela se contrapõe ao modelo tradicional e ineficiente, focado na supervalorização da assistência curativa, especializada e hospitalar.

Flávia destaca que a tônica da ação brasileira sempre foi desenvolver um projeto estruturante, isto é, evitar ações paliativas como as que foram realizadas pontualmente por diversos países após o terremoto de 2010. O objetivo é trabalhar junto com as autoridades haitianas e os médicos cubanos para desenvolver competências locais que ajudem a restaurar o sistema de saúde do país caribenho. “Isso significa fazer junto”, afirma. Cuba tem participação fundamental na parceria, pois atua há muitos anos no Haiti, onde mantém hospitais e profissionais de saúde experientes.

Em maio de 2014, o Brasil inaugurou uma rede hospitalar no entorno de Porto Príncipe, a capital do país. Com investimento de R$ 25 milhões, ela é composta pelo Hospital Comunitário de Bon Repos, pelo Instituto Haitiano de Reabilitação e pelo Laboratório de Órteses e Próteses. Outros dois hospitais comunitários de referência estão em construção. Somados, eles podem atender 300 mil pacientes, um apoio significativo para o país de 10 milhões de habitantes, que tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do continente.

Bolsa de estudos

Durante o curso, os alunos recebem do governo brasileiro uma bolsa de estudos para que tenham condições de alimentação e transporte e possam se dedicar integralmente à formação. Quando eles se titulam, continuam recebendo a bolsa por seis a 12 meses, para que tenham tempo de ser inseridos profissionalmente na rede pública. “A formação é feita por haitianos, que são capacitados, supervisionados e acompanhados por brasileiros”, explica Flávia.

“A ajuda técnica e financeira do Brasil tem sido fundamental”, disse a enfermeira Guerline Bayas, especializada em saúde comunitária e diretora de uma escola técnica em Porto Príncipe. Em outubro de 2014, ela esteve em Brasília com outros dois profissionais de saúde haitianos para participar de um seminário internacional de avaliação dos quatro anos de atividades do projeto. Os resultados superam as expectativas. Em seguida, o grupo visitou uma escola técnica em Blumenau e o Hospital Universitário da UFSC em Florianópolis.

“Esperamos renovar o convênio, pois o Haiti sozinho não tem condições de construir a estrutura necessária”, afirmou, acrescentando que a meta é formar pelo menos 10 mil profissionais de saúde para oferecer cobertura em todo o país. (…)

Publiquei esta reportagem na Revista da Fapeu 2014. Leia aqui a íntegra em pdf.

Bookmark and Share


26

Jan

15

The Newsroom: inteligência na TV

Terminei de ver a terceira e última temporada de The Newsroom. Em meio à cobertura diária de notícias pelo canal de TV a cabo e às confusões amorosas na redação, os conflitos envolvem desde ética jornalística à influência corporativa no conteúdo editorial. É ótimo encontrar vida inteligente na televisão. Aliás, talvez essa seja a única pitada de inverossimilhança na narrativa: os diálogos são fantásticos, as pessoas são inteligentes demais o tempo todo pra serem reais. Mas se a gente ativar a suspensão da descrença e aceitar essa premissa, a série é um deleite.

Bookmark and Share


15

Jul

14

Complexo industrial da saúde atrai investimentos para o Brasil

Reportagem que publiquei no Valor em 7 de abril.

O Brasil é um destino promissor para corporações que atuam com produtos e equipamentos de saúde. Com 13 mil empresas que faturam R$ 16 bilhões e crescem em média 10% ao ano, o país ocupa a sétima posição neste mercado, atrás apenas da China entre os países emergentes. Grandes grupos multinacionais têm realizado aquisições e implantado fábricas aqui para apoiar suas estratégias, o que abre oportunidades para fornecedores locais. O crescimento da demanda por bens e serviços de saúde se deve em parte à elevação da renda e à sua melhor distribuição. Outro motivo é o envelhecimento dos brasileiros. As doenças crônicas e degenerativas, que requerem mais equipamentos de diagnóstico e tratamento precoce, já correspondem a dois terços das enfermidades no país. (…)

Leia mais

Bookmark and Share


14

Jul

14

Inovações reduzem retrabalho no canteiro

Escritório com ecoesgoto instalado pela Ecotelhado

Escritório com ecoesgoto instalado pela Ecotelhado

Reportagem que publiquei em março no Valor Econômico.

Novas tecnologias adotadas na construção civil estão chegando aos canteiros de obras, com benefícios para construtoras, trabalhadores e consumidores. As inovações abrangem de técnicas construtivas a sistemas de gestão de projetos; de máquinas que aumentam a segurança dos operários ao reaproveitamento de materiais reciclados. Para as empresas, as vantagens incluem a redução nos custos e prazos de entrega, a valorização dos empreendimentos e o aumento da competitividade em licitações públicas. (…)

Leia mais

Bookmark and Share


14

Feb

14

Arenas de criação coletiva

Uma iniciativa inovadora de planejamento urbano participativo vem sendo desenvolvida desde outubro de 2012 em 15 cidades europeias. O movimento Cidades Inteligentes e Humanas foca no protagonismo cidadão em “arenas” – espaços onde as pessoas podem compartilhar ideias e co-criar soluções comunitárias. Com projetos de baixo custo e parcerias criativas na captação de recursos, as prefeituras têm economizado até 60% na prestação de serviços. Para os gestores municipais, esse modelo traz o desafio de transformar a estrutura pública tradicional, colocando-a como parceira dos munícipes na definição do futuro das cidades.

A metodologia foi criada pelo projeto Periphèria, consórcio liderado pela empresa portuguesa Alfamicro com 12 instituições de cinco países-membros da União Europeia. Em maio [de 2013], o Periphèria publicou um “livro de receitas” (Human Smart Cities – The Cookbook), que traz orientações para fazer uma cidade inteligente e humana. A proposta é começar com soluções simples para necessidades concretas e depois replicá-las, considerando as realidades específicas de cada lugar. Entre os ingredientes em comum das iniciativas bem sucedidas estão as alianças sociais, o uso da internet como plataforma e o trabalho colaborativo em um contexto de orçamentos públicos apertados.

Leia mais

Bookmark and Share