21

Jun

15

FAM 2015: amor, arte, sonhos e resistência

Sábado de fortes emoções no ‪‎FAM‬, em dois filmes que dialogam entre si ao falar de amor, arte, sonhos e resistência. Primeiro, Desculpe pelo transtorno: o Bar do Chico. Debulhei lágrimas vendo a história desse homem querido que aglutinou tanta gente boa. Seu Chico e o bar já não estão mais aqui, mas viraram símbolo da luta de todos os que amam Floripa contra os que só amam o dinheiro. História local com ecos universais, o documentário já está inscrito em mais de 40 festivais pelo mundo.

À noite, vimos Los Hongos, belíssimo filme colombiano sobre dois adolescentes no mundo de hip-hop, skate e grafiti de Cali. A trilha é excelente (uma palhinha no trailer oficial aí embaixo), o clima é pra cima, o roteiro, repleto de subtextos sem ser chato, e os personagens, bem construídos. Tem uma abuelita encantadora que faz quimio, ganha massagens na cabeça do neto e dá um conselho pra ele e pro amigo: “Meninos, vocês deviam acordar mais cedo. Assim sobra mais tempo pra vagabundar”. Saí da sala ainda mais apaixonado pelo cinema.
#FAMdetodos

Os trailers

Bookmark and Share


19

Jun

15

Partidas de outono

Um outono de despedidas de pessoas especiais que fizeram a travessia. A querida amiga Elô Schefer, depois de uma longa briga contra o câncer. Tia Sara e tio Daltro, com 28 dias de intervalo entre si. Dona Terezinha, mãe do Chico Faganello, a bondade em pessoa. Fiquem em paz, sua herança está com a gente. E que venha logo o inverno. A vida segue.

Bookmark and Share


16

Jun

15

Eficiência energética no fogão a lenha: carta de Alcino Alano

Recebi esta carta do sr. Alcino Alano sobre o seu inovador sistema de aquecimento em fogões a lenha (reportagem de 30.01.13), que tem recebido muitos pedidos de compra aqui nos comentários do blog. Alano explica por que o invento ainda não está à venda e os passos que precisam ser dados para que isso ocorra.

Gratos pelo interesse de tantos nessa modesta alternativa de aquecimento, e nos perdoe pela demora no retorno com a explicação do porque o mesmo ainda não está sendo comercializado. Um breve histórico do projeto os fará compreender os nossos motivos. Não apenas pela nossa falta de estrutura na instalação do sistema, mas também pela falta de assistência ao adquirente em caso de algum problema.

Observem que foi graças ao apoio e estrutura da Celesc e Epagri, em todo o Estado, somado ao envolvimento de muitas pessoas de diversos segmentos, que 200 famílias com baixa renda foram beneficiadas com esse projeto em algumas regiões frias de Santa Catarina. O Globo Rural, programa que foi ao ar no dia 25/08/2013, passa uma ideia do funcionamento e diferencial desse sistema, em: http://novoportal.celesc.com.br/portal/index.php/noticias/1137-banho-de-energia-no-globo-rural , onde comprova que sem a estrutura e o apoio das Empresas acima citadas, essas famílias jamais teriam sido beneficiadas com o projeto.

Como a Celesc pretende inserir esse projeto no Programa de Eficiência Energética da Empresa, mas depende de aprovação da ANEEL, é obrigatório que o boiler seja certificado pelo INMETRO e equipes sejam capacitadas para instalação do mesmo.

Nos 200 que foram instalados, com a intenção de reduzir custos e beneficiar mais famílias, em comum acordo, optamos por um tipo de boiler com limites de temperatura e isolamento térmico com menor eficiência, o que não nos permitiu aproveitar todo o potencial do calor desperdiçado pela chaminé. Esse tempo de espera e o boiler certificado, nos possibilitaram desenvolver um outro recuperador de calor bem mais eficiente. Tanto que se instalado sobre um fogão foguete, (rocket stove), a água retorna quente ao boiler numa vazão média de 1,5 litro/minuto e em temperaturas na casa dos 80°C, temperatura essa o suficiente para higienizar os equipamentos  de ordenha.

A revista Agropecuária Catarinense, março de 2015, traz uma matéria com o título: “Um foguete na sala de ordenha”, na página 17, com os resultados alcançados com os 02 protótipos instalados no norte do Estado, na região de Canoinhas, neste endereço: http://docweb.epagri.sc.gov.br/website_epagri/RAC93_Mar-2015.pdf .
Sobre a disponibilidade e preços dos equipamentos, dependemos da implantação de uma quantidade maior por parte da Celesc, e de outras parcerias interessadas, para que possamos disponibilizá-lo comercialmente a um preço justo para ambos, e com a estrutura necessária de instalação e assistência técnica no maior numero de regiões.

O projeto é simples, mas requer um conhecimento básico sobre convecção térmica (termossifão), e outros cuidados na instalação. Afinal o nosso propósito é oferecer conforto e economia, não dor de cabeça. Mas assim que tivermos qualquer novidade, prometemos veicular aqui neste e em outros endereços, o andamento e disponibilidade de 
comercialização do mesmo.

Desculpem por nos estender, é que achamos interessante comentar sobre as mudanças no projeto e suas perspectivas de utilização.

Atenciosamente,
José Alcino Alano e família
solucoessustentaveis@gmail.com
048)3622.2116

Bookmark and Share


27

May

15

Conversa no supermercado

No supermercado a caixa Nathália Cruz, vinte anos se muito, dá dicas pacientes à colega em treinamento.
- Que banana é essa?
- Caturra – chuta a outra, que empacota e observa.
- Não. É prata, olha a pontinha aqui.
- Que bom que você tem uma boa professora – comento pra novata.
- Eu já estive no lugar dela – diz Nathália.
Falamos da chegada dos imigrantes haitianos e do preconceito de gente que deseja se ver livre “disso”. Ela filosofa, alma antiga:
- É típico do ser humano achar que sofre mais que os outros. Crédito ou débito?

Bookmark and Share


30

Apr

15

O pit-bull e a educação

Acabo de presenciar aqui no quintal uma cena de ataque de três cachorros a uma ave nativa. Fico devendo o nome: é marrom e parece uma galinha, mas voa.* Essa, por algum motivo, não voou a tempo. Salvei a bichinha viva e assustada da boca da Tutu e coloquei ela numa forquilha de árvore pra descansar. Fui fazer outras coisas e, quando conferi, nada na árvore, só penas espalhadas no chão. Lá no fundo do terreno, Tutu comia o almoço de hoje.

Pouco antes vi o vídeo do cinegrafista da Band atacado por um pit-bull durante o massacre da PM aos professores. Quem ama e conhece os cachorros sabe que o instinto de lobo tá sempre em algum lugar neles. No Tom, é próximo a zero, ele é um urso brincalhão. A Tutu já é mais bicho do mato, desconfiada, daquelas que dormem nas moitas. Fez o que instinto mandou.

Quem coloca um pit-bull treinado pro ataque numa manifestação democrática sabe o risco que corre de ferir ou matar. É uma escolha deliberada, consciente. Quem dá a ordem tem responsabilidade maior. Se a justiça for feita, devem pagar, com as penas agravadas pela covardia.

* p.s.: Aracuã.

Bookmark and Share


09

Apr

15

Um modelo de precisão milimétrica

 

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces. Foto: André Vanzin

Um perfil de Claudio Grando e Ricardo Cunha, fundadores da Audaces, que publiquei no Valor de 30 de março. Versão em pdf

Em maio de 1992, dois estudantes universitários caminhavam descalços pela praia de Garopaba, depois de almoçarem camarão com cerveja num restaurante à beira-mar. Eles faziam uma pausa na viagem de volta a Florianópolis, depois de uma bem sucedida reunião ocorrida numa fábrica de móveis no litoral sul do estado. Claudio Grando e Ricardo Cunha comemoravam a conquista do primeiro cliente para uma solução tecnológica desenvolvida por eles em um laboratório da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Com a água do mar molhando seus pés, decidiram abrir uma empresa.

Assim nascia a Audaces, hoje uma referência global em tecnologia de ponta no segmento de moda, com 8,5 mil clientes em 70 países. “Nosso primeiro produto foi um sistema para planejamento de corte de chapas de madeira, resultado do trabalho de conclusão de curso”, conta Ricardo Cunha, diretor de pesquisa e um dos sócios majoritários da multinacional catarinense. Dois motivos os incentivaram a montar o próprio negócio: “Vimos que muitas soluções criadas na universidade não chegavam à indústria, e também queríamos trabalhar num lugar legal, com gente legal”. (…)

Bookmark and Share


08

Apr

15

Casais russos dormindo e esperando

Lindo projeto documental da fotógrafa Jana Romanova, de São Petersburgo. Casais russos grávidos dormindo.

Casal russo grávido dormindo. Foto de Jana Romanova

 

Bookmark and Share


29

Mar

15

O saldo de dez anos da “Guerra ao Terror”

A ong Physicians for Social Responsibility (PSR), prêmio Nobel da Paz em 1985, divulgou relatório com uma nova estimativa do número de mortos em dez anos de “Guerra ao Terror” promovida pelos Estados Unidos e aliados: em torno de 1 milhão de pessoas no Iraque, 220 mil no Afeganistão e 80 mil no Paquistão, somando cerca de 1,3 milhão. O número é dez vezes maior que o divulgado pela mídia e pelas principais ongs. Eles acrescentam que essa é uma estimativa conservadora: “O número total de mortos nos três países pode superar os 2 milhões, e um número inferior a 1 milhão é bastante improvável”.
~ PDF, 101 páginas. Via Glenn Greenwald e Sônia Bridi

 

Bookmark and Share


22

Mar

15

O valor estratégico da pegada hídrica

Reportagem que publiquei no Valor Econômico em 20 de março:

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

Arjen Hoekstra. Foto de Danielle Spoelman

O total de água incorporada aos produtos que saem pelos portos brasileiros chega a 112 trilhões de litros anuais, equivalentes a 45 milhões de piscinas olímpicas, segundo estudo da Unesco. Esse volume coloca o Brasil em quarto lugar no ranking de exportadores brutos do recurso, atrás dos Estados Unidos, China e Índia.

Embora ainda não seja contabilizada nas trocas comerciais, a água virtual tende a ganhar valor estratégico em um cenário mundial de escassez hídrica. Isso abre oportunidades para o protagonismo do Brasil, que dispõe do recurso em abundância, mas precisa avançar na sua conservação.

Um instrumento de pesquisa relevante na área é a “pegada hídrica” (“water footprint”, em inglês), criada em 2002 pelo pesquisador Arjen Hoekstra, da Universidade de Twente, Holanda, para calcular o uso direto e indireto da água, tanto por produtores quanto por consumidores na cadeia produtiva. A pegada hídrica média do consumidor brasileiro é de 5.550 litros por dia, uma vez e meia superior à média global, principalmente por causa do grande consumo de carne. (…)

Leia mais: reportagem | entrevista com Arjen Hoekstra

Bookmark and Share


15

Mar

15

Marcelo Rubens Paiva, no sábado…

…sobre as manifestações do dia 13 e do dia 15:

 

Bookmark and Share