Posts com a tag ‘cultura’

26

Apr

09

Nova biblioteca em Floripa

Boa notícia pra Floripa: o Sesc da Prainha abriu uma biblioteca com computadores novos conectados à internet banda larga, jornais e revistas, seção infantil e, o mais importante, acervo de qualidade. Ela é relativamente pequena, mas moderna e climatizada. Numa passada rápida pelas estantes, vi que poderia passar um bom par de anos mergulhado ali dentro antes de terminar a leitura das obras que me interessaram. Já estou de olho nuns livros de Nelson Rodrigues, Isabel Allende, José Saramago e Stephen King. No item conforto, seria muito legal se houvesse uns pufes e almofadões pelos cantos, mas já tá de bom tamanho pra começar.

A Bilica – Biblioteca Livre do Campeche – e a Barca dos Livros, na Lagoa da Conceição, são outros dois belos espaços públicos que lutam pra sobreviver na base do voluntariado e mecenato, em meio à indigência cultural a que os catarinenses são submetidos pelo poder público. Se você tiver livros parados em casa e quiser fazer a boa ação do dia, dê uma passadinha nesses lugares, aproveite o ambiente e faça sua doação. A Bilica fica na avenida Campeche, ao lado da videolocadora Bela Arte, esquina em frente ao Ateliê da Arteira, um pouco depois do mercado Dezimas no sentido Campeche-Lagoa, à mão esquerda. A Barca dos Livros está no centrinho da Lagoa, perto do ancoradouro de barcos. Em breve o café do térreo vai reabrir com delícias da culinária mineira.

Bookmark and Share


25

Apr

09

Sem palavras

Minha amiga Kátia Klock estreia este mês seu videodocumentário Sem palavras, sobre as dificuldades que os descendentes de alemães em Santa Catarina enfrentaram durante a Segunda Guerra Mundial. O projeto do vídeo foi premiado pelo edital Cinemateca Catarinense, da Fundação Catarinensde de Cultura. Ainda não tive a oportunidade de conferir, mas pelo que conheço do trabalho e do talento dela, vem coisa muito boa por aí.

O documentário vai ser exibido nos dias 27 e 28 às 19h30 em Pomerode (Clube Pomerode); dia 29 às 19h30 Joinville (Cidadela Cultural Antarctica); dia 30 às 19h30 e 20h30 em Blumenau (Auditório Edith Gaertner, FCB) nos dias 7 (20h) e 8 de maio (13h) em Florianópolis, respectivamente no Centro Integrado de Cultura e no III Simpósio de Imigração e Cultura Alemãs da Grande Florianópolis (Auditório do Tribunal de Contas do Estado).
~
@VanSchultz me disse que o bisavô dela precisou enterrar um baú com livros escritos em alemão, pra não ter que queimá-los. Ela já viu o filme e gostou.

Clique na imagem pra vê-la ampliada.

Bookmark and Share


16

Mar

09

Europeana

Um presentão pros internautas: está aberta ao público – ainda em versão beta, sujeita a instabilidades – a Europeana, biblioteca multimídia online da Europa, com acervo cultural de mais de dois milhões de obras dos 27 estados-membros da UE, entre imagens, textos, sons e vídeos. A biblioteca conta com material fornecido por mais de mil organizações culturais. Segundo a Comissão Europeia, que lançou a iniciativa em 2005, este é “apenas o começo”: a ideia é dar acesso a pelo menos 10 milhões de obras até 2010.

O quadro acima é Jardin à l’automne, óleo sobre tela pintado em 1888 por Vincent Van Gogh, e faz parte do acervo do museu Berggruen, de Berlin.

Bookmark and Share


04

Mar

09

O ufanismo e a última flor do Lácio

Alex Castro no blog Liberal, Libertário, Libertino (que completa seis anos hoje e é uma das leituras mais interessantes da blogolândia brasileira, concorde-se ou não com suas opiniões), sobre ufanismo linguístico:

- Ninguém precisa considerar sua língua a mais rica ou a mais linda do mundo para amá-la. Só os idiotas.

Concordo com a crítica ao ufanismo, mas é claro que achar uma língua bonita ou feia é uma avaliação estética não necessariamente ligada a ufanismo. Os idiomas são muito mais que ferramentas. Três línguas que acho lindas: italiano, tcheco, japonês. E duas que acho feias (faladas): húngaro e alemão (mas curti muito a Alemanha e a Hungria).

Bookmark and Share


26

Feb

09

O caminho do dragão e o céu que nos protege

Neste carnaval vi pela primeira vez um filme de Bruce Lee: Way of the dragon, filmado em 1972, um ano antes de sua morte precoce aos 32. É uma comédia de ação que se passa em Roma – escrita, dirigida e protagonizada pelo próprio -, com roteiro tosco, mas belas coreografias de luta. Uma curiosidade é que o antagonista do filme é interpretado por Chuck Norris, que foi discípulo de Lee. A história desse ator, filósofo e lutador de artes marciais que se tornou um símbolo da cultura pop nos anos setenta é fascinante, como conta a Laura sobre a biografia dele, Bruce Lee – Definitivo (Marco Antonio Lopes, editora Conrad). Por exemplo, ele já foi exímio dançarino de cha-cha-cha.

Fui atrás de mais informações na Wikipedia e um link foi me levando a outro. Em 1993 o filho dele, o também ator Brandon Lee, morreu num acidente bizarro, atingido por um tiro que era pra ser de festim durante as filmagens de O corvo. Pouco antes de sua morte, Brandon Lee havia incluído no convite de seu casamento uma citação do escritor Paul Bowles (autor de The Sheltering Sky – O céu que nos protege, que foi adaptado pro cinema por Bertolucci). A citação está gravada no seu túmulo, o que levou muitos fãs a atribuírem-na ao ator:

“Because we don’t know when we will die, we get to think of life as an inexhaustible well. And yet everything happens only a certain number of times, and a very small number really. How many more times will you remember a certain afternoon of your childhood, an afternoon that is so deeply a part of your being that you can’t even conceive of your life without it? Perhaps four, or five times more? Perhaps not even that. How many more times will you watch the full moon rise? Perhaps twenty. And yet it all seems limitless…”

[Minha tradução fast-food:

Por não sabermos quando vamos morrer, tendemos a pensar na vida como um bem inesgotável. Mas cada coisa acontece apenas um certo número de vezes, na verdade um pequeno número. Quantas vezes mais você vai lembrar de uma certa tarde da sua infância, uma tarde que pertence tão profundamente ao seu ser que você não consegue conceber sua vida sem ela? Talvez quatro ou cinco vezes mais? Talvez nem mesmo isso. Quantas vezes mais você vai ver a lua cheia nascer? Talvez vinte. E ainda assim tudo parece sem limites…” ]

p.s.: Se este post tivesse trilha sonora, seria Um Índio, de Caetano.

Bookmark and Share


12

Feb

09

Blog da vez: Falando russo

O blog da vez se chama Falando russo e é escrito pelo amigo virtual Fabrício Yuri Vitorino, que conheço há alguns anos via lista de e-mails Hostelling. Fabrício é jornalista, com pós-graduação em letras português-russo e morou um tempo em Moscou, cidade que visita com certa frequência. Seu blog aborda diversos temas ligados à cultura e ao cotidiano russo, sempre com observações argutas sobre os detalhes que importam. Os temas vão de poesia a literatura, televisão a música pop, turismo a comportamento, e muito mais. Vale a visita.

Bookmark and Share


12

Feb

09

Onze Margens

Mais gente amiga lançando livro nesta quinta às 20h – Adriane Canan e Cris Cardoso:

O SESC convida ao lançamento da coletânea de contos ONZE MARGENS, quinta, 12, às 20 horas, na Biblioteca do Sesc/Prainha, reunindo os onze novos autores do CURSO DE FORMAÇÃO DE ESCRITORES ministrado em Florianópolis por Dennis Radünz. O CURSO DE FORMAÇÃO é um projeto do Sesc/SC, criado em 2004, e conta com 15 publicações em todas as regiões de SC. ONZE MARGENS, organizado por Radünz, é a 16a. edição do projeto e a primeira de Florianópolis.

Não vou poder ir ao lançamento delas nem ao da Vanessa Schultz e da Kátia Klock (óvulos de Eli). Beijão pras autoras.

Bookmark and Share


21

Jan

09

Nota rápida sobre gastronomia nordestina

Almocei hoje no Mangai, restaurante de comida sertaneja que começou como uma bodega em João Pessoa e hoje tem filiais em Natal e em Brasília, onde tou agora. Dica do natalense-globetrotter Julio Gurgel. Diliça!, como dizem na Ilha. Vasta variedade de comida e sucos da terrinha (tomei um de siriguela, minha fruta favorita) que me deram até um pouquim de banzo. O suco é caro, mas a comida – a quilo – não é nada exorbitante. Na saída tem umas redes no alpendre – o detalhe me conquistou de vez.

De tarde ganhei duas rapaduras do Pitomba, motorista de táxi cearense que presta serviços pra mim e pros colegas aqui. Confesso que nunca fui muito fã de rapadura, aquela que “é doce mas não é mole”, mas me senti honrado com o simbólico tijolo da amizade. Agradeci e disse que tinha medo de quebrar um dente, mas ele deu logo a dica infalível: “Raspe e coma com farinha!” Caba bom. Como se diz lá no Ceará, respeite!

Bookmark and Share


01

Dec

08

Amálgama

Descobri hoje e gostei do Amálgama, um blog coletivo com cara de revista digital sobre atualidade, comportamento e cultura.

Bookmark and Share


19

Nov

08

Três links sobre cibercultura

Este livro de Ronaldo Lemos (FGV, 2005) se propõe a investigar os desafios propostos ao direito em decorrência da internet e da tecnologia digital. Está licenciado em Creative Commons, é só clicar e baixar.

“O Overmundo é um site colaborativo. Um coletivo virtual. Seu objetivo é servir de canal de expressão para a produção cultural do Brasil e de comunidades de brasileiros espalhadas pelo mundo afora tornar-se visível em toda sua diversidade. Para funcionar, ele precisa da comunidade de usuários sempre gerando conteúdos, votando, disponibilizando músicas, filmes, textos, comentando tudo e trocando informações de modo permanente.”

Criado em 2008 como resultado do saite Overmundo, visa estimular iniciativas para a criação de “novos canais de difusão e oportunidades para a produção cultural de todo o Brasil; a exploração das novas possibilidades de criação, compartilhamento e circulação de cultura e conhecimento geradas pela internet e pelas tecnologias digitais; e o incentivo a modelos inovadores de gestão da propriedade intelectual e de negócios nas áreas da cultura e da comunicação que confiram sustentação legal e econômica às duas vias anteriores”.

[tks Felipe Obrer]

Bookmark and Share