16

Jul

09

Do fundo do baú, serestas de Seu Edmilson

Seu Edmilson foi um talentoso seresteiro do Rio Grande do Norte, boêmio de alma generosa e grande amigo da minha família, falecido há muitos anos. Estas músicas foram gravadas em fita cassete no início da década de 1980, na nossa casa em Ponta Negra, Natal, e digitalizadas de forma caseira em 2009 por meu irmão André. Evocam um tempo doce e mais ingênuo, lua cheia, cheiro de mar trazido pela brisa. Destaco a bela canção ‘Praieira’ (composição de Eduardo Medeiros sobre poema de Otoniel Menezes, 1922) espécie de hino da cidade do Natal. Fica aqui esta pequena homenagem a um homem bom, apaixonado pela música e pelas alegrias simples da vida.

p.s.: Apreciaria se algum voluntário com conhecimento e equipamento disponíveis pudesse “limpar” o som.

Bookmark and Share


2 Responses:

  1. Em 18/07/09, 22:55, Dauro disse:

    Belo relato, Raul! Espero logo mais compartilhar outras preciosidades do baú do meu irmão.

  2. Em 18/07/09, 20:37, Raul disse:

    Como se encontra um tesouro ou ainda não sabemos de nada nesta vida
    Ouvindo sua gravação em fita cassete com Seu Edmilson – que voz e que interpretação! – fiquei apaixonado por uma canção lá do meio da “fita” e é claro peguei um verso, tasquei lá no oráculo Google e descobri “Casinha Branca” – 1954 – de Elpídio dos Santos, compositor do interior paulista, mestre na melodia rancheira, caipira, valsante e romântica. Lá no site do Instituto Elpídio dos Santos tem muita coisa bacana de se ver e conhecer, mas destaco uma que me impressionou pela coincidência: que esta música, gravada por dezenas de cantores e cantoras do Brasil (Sergio Reis, Décio Marques, Renato Teixeira e outros tantos) tem a tradição de ser divulgada por diversas maneiras, que vai desde a tradição oral no início em 1953, depois fonogramas de 78rpm – em 1954, numa gravação antológica de José Tobias – , até duas novelas (Pantanal e Rei do Gado); chegou até mim por uma fita cassete gravada lá pelos anos 80, via blog, via wireless, via sentimentos profundos. Borboletas batem asas de formas estranhas e poderosas!
    Beijos em todos por aí!!
    Raulzito


Comentar: