08

Apr

10

Da arte de caminhar nas nuvens

Certa vez, Laura e eu fomos à praia do Campeche às 7h da manhã, pra espairecer a cabeça de um problema imobiliário que nos incomodava na época. Havia uma camada densa de neblina rasteira sobre a areia. Caminhamos meia hora literalmente no meio das nuvens, sem enxergar nada além de 10 metros. De repente, a neblina acabou, como que cortada por uma faca. E um dia lindo de sol apareceu. O problema se evaporou – o tempo mostrou que era irrelevante, ponto de partida pra uma longa viagem que depois fizemos.

Escrevi isto comentando o post Alvoradas oníricas, do amigo, vizinho e colega frila Mauricio Oliveira.

Bookmark and Share


2 Responses:

  1. Em 11/04/10, 21:05, Mauricio Oliveira disse:

    De fato, a natureza nos dá muitas respostas. Basta ouvi-la.

  2. Em 08/04/10, 08:47, Marie disse:

    Filosofia pura na mais bela paisagem.


Comentar: