Posts com a tag ‘trabalho’

03

Nov

07

As 23 ferramentas de trabalho que mais uso

1. Caneta. Indispensável. De preferência, escrita fina e macia. Azul ou preta. Tenho sempre várias de estepe – uma vez fiquei sem caneta no meio duma entrevista.

2. Bloco de notas (papel).
Prefiro os pequenos, com espiral e folhas destacáveis. Uso em qualquer lugar, até dentro de ônibus. Tenho fases de caderno grande com capa dura. Quase não uso gravador. Só pra ping-pongs e com políticos.

3. Bloco de notas (software).
Pra rascunhos e pra limpar lixo de código antes de publicar na internet. A simplicidade e eficiência do texto puro, sem formatação, são uma beleza.

4. MS Word. Os clientes adotam, eu também. O contador de caracteres ajuda a calcular os honorários. Me divirto mudando as fontes, o corpo e o alinhamento. Ainda uso a versão 2003. A 2007 mudou os botões de lugar.

5. Gmail. Melhor ferramenta de e-mail que conheço. Uso também pra fazer becapes de textos em andamento. Tenho outros dois endereços de e-mail (acesso pelo ótimo Thunderbird), mas se quer resposta rápida, me escreva pra este.

6. Google. Oráculo do cotidiano. Excelente ponto de partida pra pesquisas. O grande risco é se acomodar e achar que tudo está nele. Às vezes o substituo por ferramentas específicas, como…

7. Creative Commons Search. Faz busca de imagens liberadas pela licença CC. Uma mão na roda pra ilustrar matérias e brincar de mashups com as fotos que têm autorização pra isso.

8. Google Reader. Grande ferramenta de produtividade! Os leitores de RSS são bom exemplo de tecnologia que realmente faz ganhar tempo. O tempo ganho, sempre que posso, redireciono pro ócio.

9. MSN e GTalk. Uso todo dia pra teclar com colegas de trabalho, clientes, amigos e família. Oferecem grande risco de dispersão, mas sua utilidade compensa. Um botão importante: “Ocupado”.

10. Skype. Me aproximou das pessoas e aliviou as despesas. Adoro usar pra ligações internacionais, às vezes com a webcam – é como um banho de cachoeira sem a preocupação de fechar a torneira.

11. Houaiss Online. Sou viciado em dicionário. Nos tempos de revisor apostava cerveja com amigos sobre o significado de palavras. Pena que seja só pra assinante do UOL. Seria ótimo o acesso livre.

12. Dictionary.com. Bom dicionário e tesauro inglês-inglês. Também uso o Merriam-Webster. E o Google: basta escrever (sem as aspas) “define:palavra”

13. Wikipedia. Outro oráculo que quebra um galhão. Mas como qualquer enciclopédia, tem que consultar com o desconfiômetro ligado. Uso as versões em português, espanhol e inglês, conforme o tema.

14. Delicious. Este bookmark online colaborativo é minha “memória de navegação” sobre o que encontro de relevante na web. E uma evidência cotidiana do valor da inteligência coletiva.

15. Google Desktop. Perfeito pra desorganizados como eu. É praticamente impossível não localizar um documento no micro. Não é raro eu reencontrar coisas que nem lembrava que existiam.

16. Oanda. Conversor de moedas versátil, fácil e prático de usar. Tá na web e é free.

17. Photoshop. Um dos softwares que acho mais bacanas. Eu não uso nem 10% do que ele permite fazer na manipulação de imagens.

18. Google Documentos e Planilhas. Genial recurso da web 2.0. Tenho usado pra publicar textos na web, compartilhar a edição de arquivos com colegas e até verificar a evolução da conta de luz com gráficos de barra.

19. Calculadora. A do micro não é muito prática, mas termino usando porque nunca encontro a maquininha por perto.

20. Celular. Não sou grande fã de telefones, mas hoje é quase impossível passar sem eles, né? Uso as funções básicas: falar, agenda de contatos, mensagens rápidas, despertador (o meu tem som de galo cantando).

21. Post-it. Já tentei os post-its digitais no desktop, mas não me acostumei. Prefiro os bons e velhos pedaços de papel amarelo vivo pregados ao meu redor, me pressionando a “limpar a pauta”.

22. Google Maps / Google Earth. Uso mais pra me divertir, mas às vezes são uma ótima maneira de ilustrar textos que têm a ver com referência geográfica. O GE é o programa que eu gostaria de ter inventado.

23. Firefox. O melhor navegador, sem dúvida. Quando a gente aprende a baixar e usar as extensões que dão novas funcionalidades a ele, não quer mais saber de outra coisa.

Se você quiser compartilhar suas ferramentas, fique à vontade.

Bookmark and Share


19

Oct

07

Menção honrosa no Prêmio Herzog

A notícia me pegou ontem tão de surpresa que fiquei sem saber o que dizer além de eebaa!!!!!! Uma reportagem que publiquei em outubro de 2006 na revista do Observatório Social ganhou menção honrosa no Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, um dos mais importantes do jornalismo brasileiro. É o terceiro reconhecimento público de destaque que nossa revista ganha em apenas 12 edições de existência: em 2003 levamos um Esso na categoria meio ambiente e em 2006, coincidentemente, também menção honrosa no Herzog.

A reportagem é sobre mutilações de trabalhadores na indústria moveleira de Santa Catarina. Fico feliz com a premiação porque ela dá visibilidade ao descaso de muitas empresas com as condições de saúde e segurança dos empregados. Se a repercussão desse prêmio ajudar a salvar dedos em fábricas Brasil afora, missão cumprida.

Procurei enfatizar que a responsabilidade pelos acidentes não é só das empresas, embora elas tenham, sim, culpa no cartório – omissão também mutila e mata. Uma mudança real nessa tragédia brasileira passa pela educação. Pelo amor ao próprio corpo e à mente. Quem trabalha não pode deixar sua saúde e segurança nas mãos dos outros. Isso vale pras atividades consideradas “perigosas” e também pras que parecem até inofensivas – há quanto tempo não limpam o ar-condicionado de sua sala e ninguém reclama?

Esse princípio da Não-Delegação foi sintetizado nos anos 60 pelo movimento sindical italiano e incorporado pelo movimento sindical cutista: o convencimento de que os trabalhadores não podem mais entregar a ninguém o controle sobre as suas condições de trabalho. Outro princípio herdado dos italianos é o da Validação Consensual: o julgamento sobre o nível de bem-estar ou de intolerabilidade de determinada situação de trabalho deve ser expresso pelos trabalhadores. Sei que estamos a anos-luz de uma epifania desse nível no Brasil, mas existem avanços.

Com o perdão pelo clichê – verdade pura -, jornalismo é trabalho de equipe. Compartilho essa menção honrosa com algumas pessoas em especial:

minha família, pela paciência em enfrentar o transtorno que as viagens de trabalho provocam no cotidiano de casa; Maria José H. Coelho, “mãe” da revista; Sandra Werle, a “madrinha”, que a diagramou por tantos anos; Zé Álvaro Cardoso, do Dieese/SC, que fez a ponte com o sindicato; Marques Casara, parceirão, um dos melhores repórteres que conheço; Sérgio Vignes, repórter fotográfico que me acompanha há tempo em aventuras e roubadas; Frank Maia, autor da arte e infografias desta e outras reportagens; Jeanine Will, suporte logístico nota dez; Kjeld Jakobsen, apoio fundamental ao jornalismo investigativo na organização; todos os demais colegas e ex-colegas do Observatório Social, que este mês apaga dez velinhas de aniversário; e aos trabalhadores e trabalhadoras de São Bento do Sul.

Bookmark and Share


18

Oct

07

Edição de aniversário


Mais uma saindo do forno. A 12ª edição da revista do Observatório Social comemora os dez anos de existência da organização – pra qual presto serviços há cinco anos. Outros assuntos: o que pensam os trabalhadores sobre trabalho decente, responsabilidade social das empresas e meio ambiente; o impacto negativo das negociações da OMC (Organização Mundial do Comércio) no setor de serviços no Brasil; a construção da ISO 26000, diretriz de responsabilidade social. A versão em pdf pode ser baixada aqui, em três partes (1, 2 e 3). A arte da capa é de Frank.

Bookmark and Share


18

Oct

07

Leite amigo do trabalhador

O leite Batavo em caixinha está circulando com esta frase:

“Denuncie trabalho em condições análogas à de escravo ao Ministério Público do Trabalho – endereço na internet e telefone”.

Bookmark and Share


21

Sep

07

Terceiro Setor

Nova seção no blog: Terceiro Setor. Comecei uma lista de organizações com as quais tenho afinidade. Colaboro regularmente ou eventualmente com algumas; com outras sou só simpatizante. Uma ressalva evidente: as afinidades não querem dizer alinhamento automático de idéias.

  • Mozilla
    Projetos de software de código aberto.
  • Oxfam
    Combate à fome e à pobreza. Apoio a projetos de desenvolvimento.
  • Repórter Brasil
    Ong e agência de notícias de jornalismo social, com foco no combate ao trabalho escravo.
Bookmark and Share


01

Sep

07

Diários do Paquistão

Sakamoto (à esquerda) no PaquistãoEm 2004 tive a satisfação de conhecer o jornalista e cientista social Leonardo Sakamoto quando ele colaborou com uma publicação que editei sobre trabalho escravo. Ele coordena a ong Repórter Brasil, dedicada ao jornalismo social. Sua atuação como profissional e ativista em defesa das pessoas injustiçadas já lhe rendeu o reconhecimento da OIT (Organização Internacional do Trabalho) e o Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos. Como se não bastassem a consistência, o rigor técnico e a coragem de se arriscar pelo que acredita, o cara também escreve bem demais.

Uma boa oportunidade para conhecer seu trabalho é a reportagem especial Diários do Paquistão. Acompanhado de Xavier Plassat, da Comissão Pastoral da Terra (outra personalidade fascinante, um herói dos despossuídos da Amazônia), Leo Saka passou nove dias no país asiático. Eles foram conhecer projetos de combate ao trabalho forçado por lá – estimativas apontam que há 1 milhão de paquistaneses escravizados. As impressões dos dois sobre o tema – e também sobre o povo, a cultura, a política e a religião – são uma leitura que recomendo com ênfase.

p.s. 1) Leonardo Sakamoto mantém um blog sobre trabalho decente, meio ambiente e questão agrária, onde também reproduziu o relato.

p.s. 2) Sobre o papel da imprensa no combate ao trabalho escravo no Brasil – me alegro de ter contribuído com a causa -, leia aqui.

p.s. 3) Levei três horas pra escrever estas linhas, com pausas pra trocar fralda, botar a janta dos meninos, encaminhar banho, escovação de dentes e ida pra cama.

p.s. 4) Miguel acaba de me dizer: – Pai… Te amo.

Bookmark and Share


02

Jul

07

Etanol e trabalho escravo

Mais um capítulo da febre do etanol, pelos jornalistas Iberê Thenório e Leonardo Sakamoto, da ong Repórter Brasil:

Ação recorde resgata 1106 trabalhadores da cana no Pará

Na fazenda, localizada no município de Ulianópolis, os trabalhadores dormiam em alojamentos superlotados com esgoto a céu aberto, recebiam comida estragada e água sem condições de consumo, além de salários que chagavam a R$ 10,00 por mês. (…) A água para beber, segundo relato dos empregados na fazenda, era a mesma utilizada na irrigação da cana e, de tão suja, parecia caldo de feijão. (…) Se os números se confirmarem, esta será a maior libertação de trabalhadores realizada no país. (…)

Bookmark and Share


31

May

07

Geografia do século 21

Quem gosta de brincar com dados e geografia vai apreciar o Geocommons. É um serviço que ajuda a associar estatísticas com mapas, de maneira que as informações possam ser visualizadas de forma mais intuitiva. Dá pra criar, por exemplo, um mapa do país indicando com gradações de cores os estados onde a taxa de longevidade é maior, ou onde há mais afinadores de piano. Ferramenta preciosa pra pesquisadores, professores, estudantes e curiosos em geral. Mas não é assim tão simples de usar, ainda tou apanhando nas FAQs.

Bookmark and Share


23

Apr

07

A instabilidade aérea e os limites humanos

Bodes expiatórios da crise aérea, os controladores de vôo atuam em condições de pressão que trazem graves riscos à sua saúde e à segurança de quem voa. A dimensão humana do problema, bem mais complexo do que nos mostra a mídia, precisa ser considerada com urgência. É o que diz Edith Seligmann-Silva, médica psiquiatra com especialização em saúde pública, neste artigo publicado pelo Observatório Social.

Bookmark and Share


10

Jan

07

A Idade da Pedra, um ano depois

Arte: Frank MaiaAnteontem o jornal O Globo repercutiu a denúncia feita há um ano pela revista do Observatório Social sobre trabalho infantil na cadeia produtiva de multinacionais. A reportagem, de autoria de Marques Casara, com fotos de Sérgio Vignes e editada por mim, ganhou menção honrosa no Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos em 2006.

O jornal informa que Basf, Tintas Coral e Faber-Castell, apontadas como compradoras da matéria-prima, serão intimadas pelo Ministério Público do Trabalho a assinar um Termo de Ajuste de Conduta (TAC). Das três multinacionais envolvidas, só a Basf não reconhece o problema. Tintas Coral e Faber-Castell romperam relações com os fornecedores de talco, tomaram medidas para reforçar o controle dos fornecedores e repudiaram com veemência o uso de trabalho infantil. A Faber-Castell doou material didático para as escolas da região.

O Globo também mostra com exclusividade que a empresa Minas Talco, que pagava pelo minério empilhado pelas crianças, admite, pela primeira vez, não ter nenhum tipo de controle sobre a cadeia produtiva. Mais aqui

Bookmark and Share