Posts com a tag ‘aventura’

25

Jul

08

De ônibus, táxi alternativo, mototáxi e carona

Saí de Natal às 7 horas, debaixo de chuva fina. Foi só o ônibus pegar a estrada e ferrei no sono. Quatro horas depois, chegamos à rodoviária de Mossoró. Segunda cidade do Rio Grande do Norte e arqui-rival da capital potiguar (o que rende um monte de piadas entre os natalenses), a cidade é rica em petróleo e está perto do belo litoral norte do estado, embora fique no interior e tenha clima de sertão. Um dos marcos da história mossoroense é ter repelido à bala o bando de Lampião no tempo do cangaço. Sol de fritar ovo em calçada. Fui me informar sobre as opções de transporte até Russas passando pela nova estrada asfaltada que vai por Baraúna, o que poupa uns 80 km de percurso. Pesado como um jumento de carga – uma mochila nas costas, uma mochilinha de ataque na frente e uma bolsa de pano nos ombros -, andei até o trevo pra Baraúna.

Num boteco da beira da estrada, dois papudinhos mamavam suas doses diárias da branquinha. Me abriguei sob o puxadinho (compreendendo até o fundo da alma o dito popular que se fala aqui quando alguém se despede: “Vá pela sombra”). Um velho simpático com fratura exposta mal curada numa perna me informou que a última van do dia já tinha passado e deu a dica dos carros de aluguel. Então peguei um “táxi alternativo”, a gás. Primeiro o lotação deixou duas “moças” no centro de Mossoró. Depois pegamos a estrada: no banco da frente, uma mulher com um bebê; atrás eu e uma senhora, todos sem cinto de segurança e ouvindo um CD de forró. Trinta quilômetros e cinco reais depois, eu estava no mercado público de Baraúna, cidadezinha modorrenta que nem parecia fazer jus à fama de terra de pistolagem. Não havia mais transporte pra Russas.

Depois de assuntar um pouco e tomar um suco de macarujá ultra-açucarado, paguei cinco pilas a um mototáxi pra me levar por 7 km até o posto fiscal na divisa entre Rio Grande do Norte e o Ceará, onde, segundo ele, as chances de uma carona eram maiores. Fomos ambos sem capacete – ele me explicou que a polícia local é altamente desconfiada com motoqueiros que não mostram o rosto. Perguntei sobre os episódios mais recentes de violência em sua simpática cidade. Ele disse que ultimamente estava tudo tranquilo. O último caso tinha ocorrido há três meses, quando a polícia matou quatro assaltantes que fugiam do Ceará num carro roubado. A emboscada fora armada a 200 metros do posto fiscal pra onde estávamos indo. Hmm, lugarzinho animado. Cabelos grisalhos ao vento, com a bagagem precariamente equilibrada na moto, seguimos pelo retão pelo meio da caatinga verde (sim, no tempo das chuvas a caatinga fica linda).

O posto fiscal, no meio do nada, tinha dois pequenos restaurantes ao lado. Num deles comi um prato feito de galinha frita e tomei uma skol gelada enquanto uma senhora e uma mulher se dividiam entre o atendimento à mesa – eu era o único cliente – e um programa de tevê em volume bem alto, em que um cara tentava bater o recorde de segurar motocicletas com cordas, duas motos de cada lado, acelerando pra valer. Moscas, mormaço. Dois gatos magros ficaram me rondando e miando até ganharem restos da galinha. Peguei as mochilas e fui pra beira da estrada pedir carona. Sol assassino, uns 38 graus. Minhas chances de caminhar 45 km com aquele peso e chegar ao destino sem desidratar eram remotas, pensei.

Com os lábios já meio ressecados, continuei estendendo o dedo por uns 20 minutos, até que um caminhoneiro que tinha estacionado pra carimbar os papéis no posto fiscal resolveu me levar. Ele ia no rumo noroeste pra depois pegar a BR-116 rumo sul. Falamos de filhos, lugares, fretes. Do asfalto fino e ruim daquela estrada. Contamos causos, ficamos em silêncio olhando a paisagem e as nuvens enormes em forma de flocos. Me disse que era separado e seus dois meninos moravam com a mãe no Rio de Janeiro. Tentou pegar frete pro Rio e assim visitá-los, mas só tinha pra São Paulo, pra onde estava indo. Contou sobre a pressão dos prazos: tinha vindo de São Paulo a Natal com uma carga de verduras e deram a ele 48 horas pra chegar. Fez em 46, sem dormir. Nos despedimos e desci em frente à pracinha de Russas. Na casa do meu pai, depois de muitos copos de água gelada e um banho gostoso pra tirar a poeira, caí na rede e apaguei por horas.

Bookmark and Share


22

Jul

08

Aventura indoors em Natal

Acabo de escapar de uma armadilha no apê do meu irmão. Eu tinha entrado na área de serviço pra lavar roupa quando o vento bateu a porta, que não tem trinco por dentro. Fiquei 40 minutos trancado junto com a cachorrinha salsicha deles. Ninguém em casa, celular inacessível, não havia como chamar ajuda. Tive que arrombar a janela basculante do banheiro da sala que dá pra área, usando um pedaço de madeira como alavanca. Depois sustentei aberta a armação de alumínio com um pequeno quadro negro, subi num cercadinho de criança apoiado por vassouras (o quarto de brinquedos foi bem útil), consegui enfiar uma perna e fui descendo devagar, de costas, até passar o corpo todo. Fora alguns arranhões na armação da janela, saí intacto. Agradeço às aulas de yoga (preciso voltar) e ao seriado McGyver pela minha fuga perfeita.

Bookmark and Share


11

Mar

08

Viagem pela História: Panamá

Os jornalistas mochileiros Silvia e Eumano, de algum lugar das Américas, dão este toque por e-mail:

O Correio Braziliense publica amanhã a sétima reportagem da série Viagem pela História. Mostramos as belezas do arquipelago de San Blas, no litoral caribenho do Panamá, onde vivem os indios Kuna Ayla e muito mais.

Bookmark and Share


03

Mar

08

A incrível viagem de Shackleton

Lendo A incrível viagem de Shackleton, de Alfred Lansing (Sextante, 2004). O livro, escrito em 1959, conta uma história real ocorrida em 1914, quando um aventureiro britânico partiu com sua equipe para a Antártica. Sua a meta era atravessar pela primeira vez o continente gelado, usando trenós puxados por cães. Mas o navio ficou preso, foi esmagado pela pressão do gelo e os homens tiveram que passar por uma grande provação pra sobreviver.

Bookmark and Share


04

Feb

08

Dica on the road

O Google Earth traz agora informações detalhadas sobre estradas de 26 novos países: Rússia, Malásia, Tailândia, Aruba, Bahamas, Belize, Bermudas, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, St. Kitts e Nevis, Trinidad e Tobago, Uruguai e Venezuela. Foram acrescentados nomes de lugares em Taiwan, Rússia, Austrália, Nova Zelândia, Brasil e Turquia.

Bookmark and Share


08

Jan

08

Epifania na lama amazônica

Essa historinha é do início dos anos oitenta, tempo em que meu sogro Hideharu (Augusto) Tuyama fazia fretes na sua Toyota entre Rondônia, Amazonas e Acre. Na época das águas, muitas estradas da região ficam intransitáveis. As pessoas se sentem pequenas diante da força bruta da natureza e tendem a se irmanar no aperto. Nem todas. Algumas continuam se achando o máximo. Havia um caminhoneiro antipático, daqueles tipos que ignoram os outros e só querem levar vantagem. Ninguém gostava dele. Um dia o sujeito entrou num atoleiro fundo, achando que conseguia passar sozinho, mas ficou preso com lama até o eixo.

Os outros profissionais da estrada foram chegando e o comentário geral era mais ou menos nesses termos: – Deixa esse filhadaputa se lascar pra aprender. Augusto retrucou: – Vamos ajudar! Logo convenceu outras pessoas, arrumaram umas cordas e com esforço conseguiram rebocar o caminhão pra fora. O homem ficou tão agradecido e envergonhado que passou por uma transformação radical. A partir daquele dia ele se tornou um dos viajantes mais solidários, um dos que mais ajudavam os outros. Às vezes é preciso afundar na lama pra se limpar.

~

Epifania é uma súbita sensação de realização ou compreensão da essência ou do significado de algo. (…)
Wikipedia

Bookmark and Share


16

Dec

07

Dia 2: Ourinhos (SP)-Campo Grande

Já não se fazem mais hotéis de beira de estrada como antigamente. Este aqui, na rótula que fica na saída de Campo Grande pro norte, também tem wireless nos quartos. Sou obrigado a continuar meu diário :)
~
Almoço em Lins. Bacalhau num restaurante a quilo. Cidade bonitinha, com ar de prosperidade, cercada de um mar de cana-de-açúcar.
~
Como tem penitenciária no oeste de São Paulo! Dar carona aqui deve ser atividade de alto risco.
~
Estradas muito boas em SP, muitas duplicadas. Mas os pedágios são frequentes e salgados.
~
Placa depois da divisa: “Bem-vindo a Mato Grosso do Sul. Aqui não cobramos pedágio”.
~
Uma hora a menos aqui. O MS também tá com horário de verão e já tem normalmente o fuso GMT -4. Em Rondônia serão duas horas a menos. Vou aproveitar pra dormir mais.
~
Bruno não vomitou hoje, mas continua com o intestino solto. Pra compensar, Miguel tá co intestino preso. Mas os dois estão adorando a viagem. Fora o estresse normal de ficarem tempo demais dentro do carro, estão de parabéns essas quiança.
~
Já são 1.640 km percorridos. Pela última média que calculei, o Clio tá fazendo 16,5 km/l de gasolina. Com o ar-condicionado ligado quase o tempo todo. Calor africano esses dias. Carrinho nota dez, o motor 1.6 de 16 válvulas dá confiança total nas ultrapassagens.
~
Já vimos um caminhão tombado na estrada e um carro capotado, ambos no interior de SP. No mais, tudo tranquilo. Alguns imbecis dirigindo, mas nada que tire a nossa alegria. Estar na estrada é bom demais!
~
Miguel hoje no hotel, depois de mais de 800km na estrada:
- Pai, hoje nós vamos dormir dentro do carro?
~
Vida de navegador não é moleza, Tem que olhar o mapa pro piloto e ainda servir de comissário de bordo, tipo essas da Gol, que servem o copinho pela metade pra não derramar.
~
Trilha de hoje foi bem variada: Bob Marley, Gregory Isaacs, Odair José, Uatki (bom pra acalmar na hora da estressada dos minino), Jimi Hendrix, The Doors, Franz Ferdinand… No DVD, um filme de Jimmy Neutron já rolou mais de dez vezes (desde a semana anterior à viagem). E Alice no País das Maravilhas estreou hoje.
~
O melhor do Guia 4 Rodas 2008 é o mapa atualizado indicando as estradas ruins a evitar. Mas o guia em si não foi muito prático até agora. Em Ourinhos descolamos hotel perguntando num posto de gasolina. Bom e barato, 70 paus a diária pra casal, os dois minino grátis. Aqui em Campo Grande o preço também é esse. Limpinho, honesto e com wireless. Acho que o Guia não foi feito pra viajantes ultra-econômicos e sem frescuras feito a gente.
~
É lindo o ocaso no MS. A gente estranha um pouco a planura sem fim, a falta de montanhas. E os bois que não acabam mais. Uma das apostas de viagem é encontrar um boi que não seja branco. Quem vir um primeiro, ganha.
~
Cansadaço. Eu nem precisava da caipirinha de vodca pra dormir feito uma pedra. Amanhã vamos ver uma cachoeira aí pela frente, depois conto mais. Fui!

Bookmark and Share


15

Dec

07

Dia 1 – Floripa-Ourinhos (SP)

Escrevo de um hotel em Ourinhos, 817,5 km depois de zarpar da Ilha às 5h50 de hoje. Tou contrariando minha intenção de permanecer offline durante a viagem, mas não resisti à conexão wireless aqui do quarto.

Trilha da viagem hoje: Norah Jones, Adriana Calcanhoto (músicas infantis), Bach e aquele músico surfista de quem comentei há pouco. Um pouco de forró também: Falamansa.
~
Bruno, vendo ovelhas na beira da estrada:
- Boi de mamão!
~
Miguel, depois de um tempão dormindo:
- Há quantos dias a gente tá aqui no carro?
~
Um acidente na entrada de Curitiba provocou engarrafamento monstro. Pegamos um atalho empoeirado em meio a araucárias e paisagem campestre.
~
Pra fugir de um trecho ruim de estrada no Paraná, pegamos atalho por uma cidade chamada Ventania. Bela estrada, apesar das curvas perigosas.
~
18h: Bruno fez um mega-cocô e cumpriu a parte dele: nos avisou. Depois da limpeza num banheiro imundo de posto de gasolina – era a opção disponível – ao chegarmos em Ourinhos ele vomitou. Amanhã cedo, enquanto tomarmos café, a lavanderia do hotel vai dar conta da capa da cadeirinha e das roupas sujas de hoje.
~
Dica aos pais que viajam com os filhos pequenos: castanhas são maravilhosas, mas em excesso têm seus inconvenientes.
~
Se mantivermos a média de 800 km /dia, em quatro dias chegamos a Rondônia. Mas isso – a média, os dias – não importa muito. Chegar é o que importa.

Bookmark and Share


14

Dec

07

Pausa pra pegar a estrada

Cada maluco com seu jeito de descansar. A partir deste sábado vou atravessar o Brasil de carro com a família. São uns 3.000 km de estrada de Santa Catarina até Rondônia, cruzando Paraná, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso. Sem pressa, mas sem atravancar o trânsito. Certamente não vai faltar conexão banda larga pelo caminho, mas resolvi ser um cara offline por uns dias. No devido tempo as anotações do diário de bordo vêm pra cá. Aos que me devem alguns caraminguás, favor depositar assim que possível. Credores, não tenham pressa, a gente volta a conversar em 2008. Leitoras e leitores, amigas e amigos, irmãos, primos, sobrinhos e agregados, um ótimo Natal pra vocês!

Bookmark and Share


09

Dec

07

Os autonautas da cosmopista

Li faz tempo e gostei muito de Os autonautas da cosmopista. Julio Cortázar e Carol Dunlop passaram um mês viajando em um carro-casa pela rodovia Paris-Marselha, que pode ser percorrida em cinco horas. “A estrada deixa de ser um percurso para tornar-se o destino da viagem”, diz a sinopse da Editora Brasiliense. Esse é o meu tipo de viagem – guardadas as proporções pras distâncias enormes do Brasil. E a contagem regressiva já começou.

Bookmark and Share